• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Minas Trend Minas Trend: músicos aproximam passarelas e lutas sociais Flávio Renegado e Preta Gil abriram e encerraram, respectivamente, a grade de desfiles da semana de moda mineira, propondo democratização do universo fashion

Por: Larissa Lins - Diario de Pernambuco

Publicado em: 06/04/2017 11:23 Atualizado em: 06/04/2017 11:35

O rapper Rnegado, acompanhado pela top Carol Ribeiro, no desfile de abertura do Minas Trend. Foto: Zé Takahashi/Fotosite
O rapper Rnegado, acompanhado pela top Carol Ribeiro, no desfile de abertura do Minas Trend. Foto: Zé Takahashi/Fotosite

Belo Horizonte
- O rapper Flávio Renegado, expoente do hip hop nascido na periferia da capital mineira e reconhecido pelo seu ativismo social, foi encarregado da trilha sonora do primeiro desfile do Minas Trend Verão 2018. À carioca Preta Gil, coube a missão de encerrar a grade de apresentações na passarela do evento. Em comum entre os dois artistas, o uso da música como bandeira de democratização da moda.

“O que te ofende mais / Ele beijando uma pretinha ou outro rapaz?”, diz a letra de Apenas um beijo, uma das faixas do repertório de Renegado na passarela. Ele embalou o desfile comemorativo de abertura da fashion week, uma celebração aos dez anos de Minas Trend e à evolução da luta por igualdade entre os gêneros.

Modelos carregando pastas de escritório, skates, capacetes e utensílios de diferentes segmentos de atuação profissional ou lazer caminharam sob os holofotes, enquanto o rapper conduzia a trilha sonora ao vivo. A ideia era aproximar o universo da moda das demandas políticas e sociais do país, criticando o machismo, o racismo, a segregação de minorias, o preconceito de classes.

Preta Gil encorajou empoderamento feminino e desconstrução de padrões de beleza. Foto: Zé Takahashi/Fotosite
Preta Gil encorajou empoderamento feminino e desconstrução de padrões de beleza. Foto: Zé Takahashi/Fotosite


Preta, por sua vez, se dirigiu às "mulheres reais", nas palavras dela. "Vai ter mulher GG na passarela, sim!", declarou ao anunciar a própria entrada. Ela lançou coleção-cápsula em parceria com o estilista mineiro Victor Dzenk, o último do cronograma de desfiles da temporada fashion em Belo Horizonte. A cantora disse que o momento era de democratização da moda, lembrando que as peças co-idealizadas por ela são all size (adaptáveis a diferentes medidas). Levantou, claramente, a bandeira da desconstrução de padrões de beleza opressores - sobretudo os da magreza, fincados definitivamente na indústria fashion pela geração de top models dos anos 1990.

O recurso da música como ponte entre o conceito estético das passarelas e as demandas sociais não é novidade no ramo dos desfiles, mas ganha mais espaço e notoriedade conforme as lutas ecoadas ali se fortalecem na sociedade. Hoje, apresentações do gênero são, inclusive, esperadas pela plateia convidada. Na edição anterior do Minas Trend, em outubro de 2016, o rapper paulistano Criollo foi responsável pela trilha sonora do desfile da grife mineira Doisélles (marca da estilista Raquell Guimarães), no qual o sistema carcerário brasileiro e os desafios do processo de reinserção dos detentos na sociedade foram postos em cheque.

*A repórter viajou a convite do Minas Trend

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.