Cidade Comida árabe começa a conquistar o Recife Uma das gastronomias mais antigas do mundo tem crescido no mercado recifense. Recentemente, a cidade ganhou O Libanês restaurante especializado na comida

Por: Katarina Bandeira

Publicado em: 25/09/2015 15:38 Atualizado em: 25/09/2015 17:01

Conhecida pela diversidade de aromas e pelo diferente uso de especiarias, a culinária árabe se faz cada vez mais presente na capital pernambucana. Tida como uma das mais antigas cozinhas do mundo, ela traz para o paladar dos recifenses pratos que encantam pelos perfumes fortes e presença marcante de sabores. Quem procura onde apreciar iguarias como hummus, quibe cru, fatoush e kafta não precisa pegar carona em nenhum tapete voador. Basta circular pelas zonas Norte e Sul da cidade.

Inaugurado há pouco mais de dois meses, o restaurante O Libanês, em Boa Viagem, chegou trazendo uma cozinha tradicional para quem aprecia o tempero mediterrâneo. Um dos pratos mais saborosos e que funciona como uma ótima entrada são os Charutos (R$ 25), feitos com carne de carneiro temperada e arroz, enrolados na folha de uva e regados no limão. As porções de quibes fritos (R$ 25) ou até mesmo a Labne (R$ 25), uma coalhada seca servida com pão sírio, também servem bem.

Apesar da alimentação árabe se basear em carnes, especialmente os cortes do cordeiro, muitos dos pratos envolvem apenas grãos, o que a torna bastante procurada por quem não come proteína animal. Entre as alternativas vegetarianas, estão o Falafel (R$ 35) e o Hummus (R$ 25) - ambos com grão de bico -, e o Tabule (R$ 30), uma salada geralmente servida como aperitivo, que leva triguilho, tomate, cebola, salsa, hortelã e outras ervas, misturadas com suco de limão, pimenta e outras especiarias.

Nas sobremesas, o que impera mesmo é o doce, que pode ser encontrado no Balewa (R$ 20), folheado recheado com nozes, ou o surpreendente Atayef (R$ 15), pastéis doces cobertos por mel e recheados com queijo de cabra. São de uma consistência tão leve que parecem flutuar na boca.

Do outro lado do Recife, há a opção de food truck árabe Kebabeer, na esquina da Rua do Espinheiro e Santo Elias, sempre de quarta a domingo. No bairro do Parnamirim, tem também o Snaubar, que trabalha com elementos da cozinha árabe, com uma pegada de bar contemporâneo. Lá, o carro-chefe são as esfirras - servidas tanto com sabores tradicionais como com locais (com queijo coalho e charque) -, além de bolinhos e espetinhos do Oriente Médio. Para fechar a lista, o descolado point no Centro do Recife, o Bar Central, que serve pastas arábicas famosas, como babaganuche, servidas com o pão sírio.

Da arábia


Na religião muçulmana o consumo da carne de porco é proibido, por isso não há pratos árabes que usem a proteína suína.

É comum encontrar doces e caldas que levem água de rosas ou de flor de laranjeira, líquidos perfumados e realmente extraído das flores.

Apesar de ser uma região composta por 22 países, a culinária árabe de maior destaque é a sírio-libanesa que possui técnicas de preparo com mais de três mil anos.

A cozinha árabe é pouco calórica. Cada 100 gramas de quibe cru, por exemplo, possui menos de 100 calorias.

SERVIÇO
O Libanês
Onde: Avenida Conselheiro Aguiar, 2677, Boa Viagem
Informações: 3035-7694

Kebabeer
Onde: esquina da Rua do Espinheiro e Santo Elias, Espinheiro
Informações: 99314-8469

Snaubar
Onde: Rua Dr. Virgílio Mota, 48, Parnamirim
Informações: 3204-5104

Bar Central
Onde: Rua Mamede Simões, 144, Centro do Recife (ao lado do Parque 13 de Maio)
Informações: 3222-7622



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.