Ducasse Ducasse diz que gastronomia brasileira vai 'entrar na competição internacional'

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 28/06/2015 15:37 Atualizado em:

O chefe francês Alain Ducasse, em Paris, no dia 21 de maio de 2015
© AFP/Arquivos MARTIN BUREAU
O chefe francês Alain Ducasse, em Paris, no dia 21 de maio de 2015 © AFP/Arquivos MARTIN BUREAU
Rio de Janeiro (AFP) - O chef de cozinha francês Alain Ducasse afirmou nesta sexta-feira que o Brasil está pronto para "entrar na competição internacional" da alta gastronomia e defendeu uma alimentação sustentável com "menos proteínas".

Ducasse, que veio ao Rio de Janeiro assistir à cerimônia de entrega de diplomas a 250 alunos do curso de gastronomia promovido pela Universidade Estácio de Sá e pela escola Alain Ducasse, avaliou que o futuro da área se resume a três palavras: diversidade, autenticidade e natural.

"Temos 740 alunos em formação hoje na Estácio e em cinco anos 10% serão atores da gastronomia aqui, no Brasil. Eles ganharam experiência. O Brasil vai entrar na competição internacional", declarou Ducasse, 58 anos, a um grupo de jornalistas no Consulado da França.

Também estavam presentes na cerimônia mais de 40 chefs franceses e brasileiros que participaram do evento 'Goût de France', realizado no último 19 de março, durante o qual mais de 1.300 jantares foram propostos em restaurantes e embaixadas de 150 países, com o objetivo de celebrar a gastronomia francesa.

"A cozinha do século 21 está aberta ao mundo e respeita as diferenças que eu defendo. É a mesma abordagem que nós temos com a universidade", afirmou, ainda, Ducasse, dono de 35 restaurantes em nove países espalhados em quatro continentes, para quem a cozinha representa também "uma fabulosa ascensão social".

O famoso chef defendeu que em países como o Brasil, onde a natureza é generosa, a população se alimente primeiramente com produtos locais e "consuma de maneira sustentável, com menos proteínas e, caso venha do mar, que venha da pesca sustentável também".

"Há um bilhão de pessoas subnutridas no planeta e há também um bilhão de pessoas super-nutridas, este equilíbrio deveria permitir que todos pudessem comer", ressaltou.

Para ele, os países industrializados se alimentam cada vez pior, "mas a tomada de consciência já está aí e quando os Estados Unidos acompanham um movimento, tudo vai mais rápido".

O chef francês Laurent Suaudeau, de 57 anos, no Brasil desde os anos 1980, lembrou que o "espírito da reflexão na cozinha francesa nasceu no século 18 com a presença de grandes filósofos e seu humanismo ainda prevalece na nossa culinária". 

Claude Troisgros, que chegou ao Rio há 35 anos, avaliou que a "cozinha [do país] evoluiu de maneira incrível, valorizando os produtos típicos do Brasil".


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.