Pip! Rede social de receitas ganha adeptos e passa de 100 mil usuários Criada em 2013, a startup brasileira "Pip!" permite encontrar, organizar, guardar e compartilhar suas receitas culinárias preferidas

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 10/03/2015 16:00 Atualizado em: 10/03/2015 14:23

Além de criar um álbum, usuários podem compartilhar e divulgar receitas preferidas. Foto: Pip/Divulgação
Além de criar um álbum, usuários podem compartilhar e divulgar receitas preferidas. Foto: Pip/Divulgação
Lançada em junho de 2013, o Pip! é uma startup voltada para quem quer encontrar, organizar e guardar suas receitas culinárias preferidas. A plataforma criada por um grupo de catarinenses é uma rede social e não produz conteúdo. São pessoas comuns, blogueiros de culinária e empresas alimentícias que incluem suas postagens e movimentam o Pip!

A ideia inicial, de acordo com Guido Jackson, idealizador da startup, era fazer um aplicativo de lista de compras para usar no supermercado. Vendo que era um mercado saturado, Jackson resolveu procurar por algo inovador e pensou em transformar o Pip! em uma rede social de receitas. “Nele é possível pesquisar qualquer receita pelo nome. E o usuário pode salvar, criando um álbum, além de compartilhar e divulgar as receitas”, afirma Guido.

A plataforma foi criada por um grupo de catarinenses, e tem como objetivo fazer com que as pessoas encontrem, organizem e guardem suas receitas culinárias. Foto: Pip/Divulgação
A plataforma foi criada por um grupo de catarinenses, e tem como objetivo fazer com que as pessoas encontrem, organizem e guardem suas receitas culinárias. Foto: Pip/Divulgação

No fim de fevereiro, o sistema foi renovado e a versão 2.0 lançada. Com um leiaute parecido com o do Instagram, as modificações permitem um acesso mais fácil para quem não tem familiaridade com a internet e as novas tecnologias. O sistema foi testado com base no UX (User Experience), que parte do ponto de vista do usuário e suas eventuais possibilidades e dificuldades. A atualização permite uma navegação mais simples e, com isso, o número de usuários chegou à marca de 100 mil pessoas cadastradas.

Por enquanto, apenas a versão para computador está disponível. Segundo Jackson, até o fim de abril, o app para Android, iOS e Windows Phone deve chegar nas respectivas lojas eletrônicas, o que deve permitir um aumento ainda maior na quantidade de usuários. “Com os aplicativos, esperamos alcançar a marca de 1 milhão de cadastros até dezembro deste ano”, almeja Guido.

Idealizador da startup, Guido Jackson afirma que, até o fim de abril, o app estará disponível para Android, iOS e Windows Phone. Foto: Pip/ Divulgação
Idealizador da startup, Guido Jackson afirma que, até o fim de abril, o app estará disponível para Android, iOS e Windows Phone. Foto: Pip/ Divulgação

Três perguntas para Guido Jackson, idealizador do Pip!:

Como surgiu a ideia do Pip!?

Antigamente, as pessoas escreviam as receitas em cadernos e isso gerava um arquivo pessoal. Você fazia um prato e, se alguém queria a receita, bastava copiar do caderninho. Com o avanço da internet, esse costume está acabando. É mais prático procurar uma receita on-line, mas ela acaba se perdendo. Com o Pip! é possível salvar, compartilhar e enviar as receitas para o seu núcleo de convivência.

Seria um resgate ao compartilhamento de receitas?

Sim, vemos o Pip! como um substituto do caderno de receitas, digamos, analógico. Com ele, pretendemos recuperar o costume das pessoas em compartilhar as receitas entre a família e os amigos. Por isso, o logo: Pip! - O seu caderno de receitas.

Por que o nome Pip!?

Como a primeira ideia era fazer um programa de lista de supermercado, decidimos utilizar o Pip por ser uma onomatopéia para o barulho que o leitor de código de barras faz. Quando resolvemos mudar para um programa de receitas, deixamos o nome por ser pronunciável em qualquer idioma. Além de ser facilmente identificável, pretendemos criar uma expressão similar a "tuitar", do Twitter. Então, quando alguém compartilhar uma receita, estará "pipando".

Com informações de Geison Guedes 

 



TAGS:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.