Fidelidade Quando o cliente vira fã "de carteirinha" do restaurante Nem um menu cheio de opções desbanca a comida preferida. São comuns os casos de clientes que frequentam as casas várias vezes por semana

Por: Mirella Monteiro - Diarios Associados

Publicado em: 06/03/2015 15:00 Atualizado em: 06/03/2015 13:03

Professor de biologia Carlos Bravo ficou amigo do gerente do Boteco Barazzone a ponto de ser convidado para seu casamento recentemente. Foto: Nando Chiappetta/DP/ D.A Press.
Professor de biologia Carlos Bravo ficou amigo do gerente do Boteco Barazzone a ponto de ser convidado para seu casamento recentemente. Foto: Nando Chiappetta/DP/ D.A Press.
"Tenho amizade com todos os funcionários daqui”, afirma o professor de biologia Carlos Bravo, que frequenta o Boteco Barazzone, em Piedade, pelo menos uma vez por semana. É natural o interesse dos restaurantes em oferecer comidas de qualidade e bom atendimento para fidelizar os clientes. Mas não são todos que têm sucesso para montar o cardápio ou escolher colaboradores. Carlos mora pertinho, mas confessa que não esperava ser tão fiel ao restaurante.

“É difícil encontrar bom atendimento em grande parte dos restaurantes. Eu gosto daqui porque eles procuram conhecer os clientes que costumam vir muito para cá e, por isso, sabem como cativar”, ressalta o professor.

Em relação aos pratos da casa, Carlos adianta que “são deliciosos e de qualidade”. Ele costuma pedir petiscos como a coxinha de frango, a empada de queijo do reino e o quibe. “O bom é que temos a opção de solicitar meio prato. E como geralmente eu venho com a minha esposa, vale muito a pena porque não sobra nada”, conta.

Para provar que Carlos é, de fato, um cliente fiel e dos bons, o gerente do estabelecimento, Marco Aurélio garante que espera receber sempre clientes amigos como ele. “O professor é muito conhecido por aqui. Ele até foi para o meu casamento recentemente”, lembra.

O publicitário Marcos Fernandes assume que costuma frequentar o restaurante italiano Tiramisù, na Ilha do Leite. Ele marca presença todos os dias no local e diz que não tem comida parecida. “O local é organizado, o atendimento excelente, e a comida, sempre muito bem feita. Isso sem falar nos donos italianos, que estão sempre preocupados com o conforto dos clientes”, opina Marcos. Sobre os pratos de sua preferência, ele afirma que “o gnocchi é sem igual”.


Marcos Fernandes garante que o gnocchi do italiano do Tiramissù, na Ilha do Leite, onde ele vai diariamente, é sem igual. Foto: Joao Velozo/ Esp.DP/ D.A.Press.
Marcos Fernandes garante que o gnocchi do italiano do Tiramissù, na Ilha do Leite, onde ele vai diariamente, é sem igual. Foto: Joao Velozo/ Esp.DP/ D.A.Press.

A história se repete com o professor Cristóvam de Souza Leão. Ele vai ao Tepan, na Encruzilhada, diariamente. “O ambiente oriental é acolhedor. Também gosto muito da forma como sou atendido, sempre pelo mesmo garçom”.

Tudo começou depois que Cristóvam começou a frequentar o restaurante acompanhado do pai, que já morreu. A comodidade de ensinar em uma escola bem próxima ao Tepan é outro motivo para ter sido cativado pelo estabelecimento.

Na hora de escolher o prato do dia, ele ressalta qual o seu pedido preferido. “Gosto muito e recomendo o Tepan (peixe na chapa quente). É delicioso”, conclui.

Higiene também conta


A empresária Rafaela Sampaio sai do Janga, em Paulista, pelo menos uma vez por semana, para comer o guaiamum e a ostra no Caldinho do Nenen (grafado com a letra ‘ene’ mesmo), no Pina, Zona Sul do Recife. Fã da comida da casa, acredita que um restaurante, para ser bom, precisa apresentar higiene. “Aqui, os banheiros estão sempre limpos e cheirosos. Além disso, eles têm todo um cuidado com o espaço destinado às crianças”, pontua Rafaela.

Para quem está de fora, a distância é grande. Para ela, vale a pena. “Sou apaixonada por ostra, e aqui vejo que elas são limpas e selecionadas. O peixe, então, nem se fala. A cerveja chega à mesa sempre estupidamente gelada. O suco de uva, meu preferido, sempre é bem coado, do jeito que eu gosto”, ressalta.

Rafaela Sampaio, no Caldinho do Nenen: viagem do Janga ao Pina. Foto: Nando Chiappetta/DP/ D.A Press.
Rafaela Sampaio, no Caldinho do Nenen: viagem do Janga ao Pina. Foto: Nando Chiappetta/DP/ D.A Press.

O gerente Brito Bezerra, que comanda o Caldinho do Nenen ao lado do proprietário e irmão Arismende Bezerra, dono do apelido “Nenem”, confessa que toma conta de todos os detalhes para que os clientes saiam satisfeitos. “Antes, o restaurante funcionava em um pequeno espaço na esquina. Já tínhamos esse cuidado”, pontua Brito.

O famoso caldinho é o carro-chefe, mas a casa tem cardápio extenso, com petiscos, como empadas e bolinho de bacalhau, carnes e frutos do amr, além das sobremesas.

Serviço:

Boteco Barazzone
Onde: Avenida Bernardo Vieira de Melo, 1250, Piedade
Informações: 3462-1088

Tiramisù
Onde: Rua Senador José Henrique, 103, Ilha do Leite (Edifício Empresarial Praia de Guarapari - Loja 1)
Informações: 8723-0614 / 8765-6077/ 9719-7991

Tepan
Onde: Rua Doutor José Maria, 151, Encruzilhada
Informações: 3427-4187

Caldinho do Nenen
Onde: Rua Nogueira de Souza, 363, Pina
Informações: 3466-6455

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.