Alimentação Aproveitar as sobras de comida faz bem à saúde e ao meio ambiente Segundo especialistas, com criatividade, pode-se explorar ao máximo os nutrientes dos alimentos e praticamente zerar o desperdício

Por: Flávia Franco - Correio Braziliense

Publicado em: 15/02/2015 10:00 Atualizado em: 12/02/2015 23:18

Suco sustentável: feito com talo de verduras e a casca de frutas. Foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press
Suco sustentável: feito com talo de verduras e a casca de frutas. Foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press
Um terço dos alimentos produzidos no mundo vai para o lixo, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). O desperdício está presente em todas as etapas: colheita, transporte, distribuição e consumo. Em casa, as razões das sobras vão desde a compra exagerada no supermercado a falhas no armazenamento de produtos e ao mal uso de ingredientes durante o preparo de pratos. O destino das compras, porém, pode ser justamente o inverso. Especialistas na cozinha garantem que, ao reaproveitar alimentos, é possível montar um menu com opções criativas e, em alguns casos, até mais saudáveis.

Usar partes dos alimentos normalmente descartada foi uma lição de família para Juliana Lucas Tavares. Desde pequena, a chef aprendeu com a mãe e o pai a usar o que eles chamam de bom senso na hora de cozinhar. “Eles me ensinaram que é preciso saber harmonizar os ingredientes e aproveitar todas as características deles. Sempre reaproveitaram o que tinha na geladeira de casa. O arroz que sobrava do almoço rapidinho virava um bolinho para o jantar”, lembra.
Segundo a chef, receitas tradicionais surgiram inspiradas na prática do reaproveitamento, como o tutu de feijão. “É muito raro alguém cozinhar um feijão apenas para fazer o tutu. Normalmente, aproveitam-se os grãos do dia anterior para não comer a mesma coisa ou não desperdiçar as sobras”, conta.

Seguindo a lógica, o pão adormecido pode virar torradas e farinha de rosca. O leite pode ser usado para preparar iogurte. Legumes e verduras se transformam no recheio de tortas. “A casca de cenoura, que costuma ser descartada, pode ser transformada em farinha ou ser usada para fazer um bolo”, ensina a chef.

Juliana Tavares garante que, diferentemente do imaginado, cascas e folhas de verduras e legumes, quando usadas em receitas, não costumam deixar os pratos com gosto amargo. “Na verdade, têm o efeito contrário, grande parte do sabor fica concentrado na casca dos alimentos”, explica. As cascas de abóbora, maçã e laranja são exemplos de componentes descartados que são ricos em sabor. “Até a de laranja tem uso na cozinha. Se cristalizarmos com açúcar, acompanha muito bem um chá da tarde ou um petit four (aperitivos como biscoitos amanteigados)”, aconselha.

Canapés sustentáveis

Uma das receitas que Juliana mais gosta de preparar com ingredientes usados anteriormente são os canapés. Cascas de abóbora e pães adormecidos viram torradas, que servem como base para o petisco, e alimentos comuns na mesa dos brasileiros, como a couve, são transformados em patês. “Muita coisa também pode ser aproveitada desses ingredientes. O resto de requeijão ou da maionese na geladeira é usado no creme do canapé e os talos da couve podem servir para fazer sucos”, exemplifica a chef, que complementa ressaltando que criar bebidas é uma ótima alternativa para explorar os recursos dos alimentos. “Faço muito um suco de laranja com agrião, limão, couve e hortelã. Uso as folhas e os talos. Do limão, uso até a casca”, diz.

Nutricionista da ONG Banco de Alimentos, Nabyrie Francelino ressalta que, além de uma postura sustentável, o reaproveitamento de ingredientes costuma render vantagens ao funcionamento do organismo. “Polpas, cascas, entrecascas, talos e folhas são riquíssimos nutricionalmente. Geralmente, têm maior porcentagem de nutrientes que as partes convencionais”, explica. Nabyrie afirma que os alimentos podem ser usados integralmente em uma única receita ou divididos. “Você usa os talos para fazer um escondidinho, as folhas em um refogado e as cascas das frutas em compotas, geleias, sorvetes”, exemplifica.

Quiche, um dos símbolos do reaproveitamento: o recheio pode ser feito com ingredientes que, quase sempre, vão parar na lixeira. Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press
Quiche, um dos símbolos do reaproveitamento: o recheio pode ser feito com ingredientes que, quase sempre, vão parar na lixeira. Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press


Para saber mais

Brasil joga fora 26 milhões de toneladas

De acordo com a ONG Banco de Alimentos, os brasileiros jogam for a muita comida. Mesmo quem tem menor poder aquisitivo tem altos indícios de desperdício. Para a organização, a grande diferença é que, nos países pobres, o problema acontece no início da cadeia produtiva por falta de tecnologia e dificuldades no armazenamento e no transporte. Nos países ricos, a situação se agrava nos supermercados e na casa do consumidor, acostumado a comprar mais do que precisa e armazenar os alimentos de forma inadequada.

A nutricionista da ONG, Nabyrie Francelino, afirma que o Brasil desperdiça tanto pelo aspecto dos países ricos, quanto pelo das nações pobres e, por isso, a perda é ainda maior. “Ocorre desde a colheita, passando pelo manuseio, pelo transporte, pela central de abastecimento, pela indústria, pelo supermercado e pelo consumidor, que não se planeja para fazer as compras, leva mais do que necessita. Ele consome menos que o adquirido e ainda armazena os alimentos de forma inadequada”, explica.

A estimativa da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) é que, anualmente, o país desperdice 26,3 milhões de toneladas de comida.

Confira dicas da ONG Banco de Alimentos para evitar o desperdício

» Planeje as compras. Faça uma lista de produtos de acordo com o número de pessoas da casa
» Não aperte as frutas, verduras e legumes
» Higienize os alimentos de forma adequada
» Prefira os alimentos da época
» Armazene os alimentos de forma correta, em locais limpos e temperatura adequada
» Aproveite o alimento por completo. Dá para usar polpa, cascas, entrecascas, talos e folhas

Receita

Bolinhos de folhas de beterraba da ONG Banco de Alimentos
(Rendimento: 10 porções)
 
Ingredientes
1 copo (200ml) de folhas
de beterraba e picadas
2 ovos
5 colheres (sopa) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de água
½ cebola picada
Sal a gosto

Modo de preparo

Bata bem os ovos e misture aos outros ingredientes. Coloque a massa em forminhas e asse os bolinhos em forno médio (200º C) por aproximadamente 30 minutos. Retire do forno e deixe esfriar.

Obs.: Valor nutricional (proteína, carboidrato, vitamina A, ácido fólico e ferro)



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.