Gastrô em Petrolina Especial: A defensora dos peixes e embaixadora da gastronomia de Petrolina Chef Jucilene Reis comanda o Flor do Mandacaru, com muita história para contar

Por: Diogo Carvalho

Publicado em: 30/01/2015 19:58 Atualizado em: 09/02/2015 22:12

Chef Jucilene fala com orgulho dos desafios enfrentados para montar o Flor de Mandacaru, referência em cozinha regional. Créditos: Diogo Carvalho/DP
Chef Jucilene fala com orgulho dos desafios enfrentados para montar o Flor de Mandacaru, referência em cozinha regional. Créditos: Diogo Carvalho/DP

Jucilene Reis é daquelas figuras que vale a pena passar horas conversando depois de uma boa refeição. É ela quem comanda o restaurante Flor de Mandacaru, referência para quem quer provar a típica gastronomia regional. Sarapatel, buchada, moquecas, carne de sol, cari, surubim, pitinga, maxixe e até cacto, tudo ganha os toques criativos da chef, experiente na cozinha sustentável e em valorizar os elementos da terra.

Confira um roteiro de restaurantes em Petrolina

Mas nem sempre foi assim. “Não sabia cozinhar nada. Apanhava do meu marido até aprender a fazer algo no fogão. Infelizmente, não existia a Lei Maria da Penha. Mas, felizmente, ele já faleceu”, brinca Juci, como gosta de ser chamada. De origem muito humilde, já precisou vender uma vaca da família para se mudar para São Paulo em busca de vida melhor para os filhos.

Lá, aprendeu a fazer coxinha e sobremesa de gelatina. Receitas que trouxe de volta para Petrolina, onde começou a juntar dinheiro para abrir o primeiro (e pequeno) restaurante. Criava as galinhas para fornecer os ovos e cultivava ela mesma uma pequena horta para os legumes que usaria nas receitas. “Também vendi PFs (pratos feitos) e entreguei marmitas. Até muambeira no Paraguai eu já fui. Mas tudo para garantir dinheiro para uma educação melhor dos meus filhos”, lembra, emocionada.

O Restaurante Flor de Mandacaru foi fundado em 2006 e o sucesso foi se dando através do boca a boca. Mas quem diria que o reconhecimento viria com um prato feito a base do cari - peixe da região conhecido como “lagosta do São Francisco” -, que sofre tanto preconceito do público de Petrolina por ser “estranho”. “Com dois anos de restaurante, participei de um festival promovido pelo Sebrae, onde criei o Cari com mandacaru. Um programa de TV achou curioso e fez uma reportagem. Foi aí que bombei e fiquei conhecida em todo o estado”, conta. De lá para cá, fez intercâmbio em cozinhas de todo o país e cursos de aperfeiçoamento no Sebrae.

Carizada, Guisado com xerém, Pititinga e Carne de sol com coalho estão entre os mais pedidos
Carizada, Guisado com xerém, Pititinga e Carne de sol com coalho estão entre os mais pedidos

Não por acaso, o cari virou uma das estrelas da casa. “Eita, bichinho gostoso”, empolga-se Juci. Da Tijela com caldo de cari (R$ 5,70), à Carizada (R$ 52,90, com lâminas de coco e maturi) e o Cari ao molho de coco com ovos de codorna (R$ 52,90), o peixe com fama de feio encanta o paladar dos visitantes. Disputa espaço com outros companheiros das águas do Velho Chico, como o Surubim Delícia (R$ 56,90), com creme de macaxeira, e a Pititinga (R$ 17,90) servida como petisco com molho e farofa. “Só trabalho com peixes daqui. Uso tudo, do filé ao rabo e a cabeça, que viram caldo e vatapá”, destaca.

Dos pratos regionais, destaque para a Galinha capoeira com xerém (R$ 59,90), uma homenagem ao Mestre Gonzagão, a Carne de Sol de Lampião (R$ 47,90), o Sarapatel Maria Bonita (R$ 30,90) e o Carneiro Cozido com maxixe (R$ 46). Na sobremesa, aposte na Torta de tapioca (R$ 5), a Cartola (R$ 10) ou no Negão Flor de Mandacaru (R$ 12,90), uma releitura da chef Juci para o clássico petit gateau.

Flor de Mandacaru
Endereço: Rua Nossa Senhora das Grotas, 155 - Cohab São Francisco, Petrolina
Telefone: (87) 3863-7607
Funcionamento: Terça a sábado, das 11h às 15h30 e 18h à 0h; domingo, das 11h às 17h.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.