Doce Aprenda receita de panqueca com xarope de maple Recolhido dos troncos de árvores típicas do Canadá, o xarope de maple substitui o açúcar e o mel em receitas diferenciadas

Por: Patrícia Crespo - Correio

Publicado em: 01/12/2014 14:18 Atualizado em:

A panqueca ainda pode levar outros acompanhamentos doces. Foto: Gladyston Rodrigues/EM.D.A PRess
A panqueca ainda pode levar outros acompanhamentos doces. Foto: Gladyston Rodrigues/EM.D.A PRess

Bem pequena quando provei pela primeira vez o sabor desse xarope em terras americanas. Como era bom acordar e sentir o gostinho daquelas panquecas superfofinhas envolvidas por aquele líquido dourado e doce. Acho que foi aí que comecei a gostar de culinária. As panquecas, consegui reproduzi-las fielmente, anos mais tarde. Mas o tal xarope sempre era substituído, pois não tinha como adquiri-lo por aqui. Sempre trouxe algum vidrinho na bagagem, quando voltava àquela região. Amigos viajantes costumavam me presentear com maple syrup, pois sabiam o quanto aprecio o produto. Atualmente disponível no comércio nacional, fazer e experimentar novas receitas ficou mais fácil e posso afirmar que substituir o tradicional açúcar branco ou o mel pelo xarope de maple tem me proporcionado boas surpresas na cozinha.


O maple syrup é feito da seiva de uma árvore que no Brasil é chamada de bordo. Árvore típica do Canadá e símbolo desse país, o bordo necessita das baixas temperaturas do inverno para armazenar amido em seu tronco. Com a chegada da primavera, o amido é transformado em sacarose líquida dentro do vegetal. Para recolher tal líquido os produtores fincam bicos nas árvores e deixam escorrer a seiva, que é aparada em baldes também acoplados aos troncos. A produção continua por todo o verão e é finalizada com a chegada do frio. Os primeiros baldes da primavera produzem os melhores xaropes. Diferenciadas por grades, a cor e a textura do xarope determinam sua utilização. Os mais clarinhos e de sabor suave são indicados para ir levar direto à mesa. Os mais escuros e densos são indicados para culinária de forno e fogão.


O syrup é obtido pela técnica da redução, concentração e evaporação. Totalmente natural, são necessários 150 litros de seiva para se conseguirem quatro litros de xarope. O puro maple syrup, diferentemente do açúcar retirado da cana, contem minerais, como magnésio e potássio em sua composição. O que é uma grande vantagem na hora de se utilizar o produto. A grande maioria da produção é canadense. Entretanto, no Nordeste dos Estados Unidos, na região de Vermont e por todo o estado do Maine encontra-se uma considerável plantação de bordo para produção do xarope.


Nos cardápios canadenses e americanos é muito comum encontrarmos carnes de porco e frango caramelizadas com maple syrup. Bolos e bolinhos como muffins, biscoitos de várias espécies, musses, geleias, molhos, sorvetes, pudins e tortas ganham sabor com o ingrediente. Já fiz redução de vinagre balsâmico com o xarope para temperar saladas e o resultado foi surpreendente. Já substituí o mel naquele tradicional molho de mostarda para acompanhar salmão e, da mesma forma, fiquei bastante satisfeita. Os precinhos por aqui não são nada doces, mas vale a pena a aquisição. Para começar, uma simples panqueca poderá encantar. Mas não economize na criatividade quando for utilizar o produto.


Panquecas com maple syrup

Ingredientes
1 e ½ xícara de chá de farinha de trigo
2 xícaras de chá de leite integral
2 colheres de sopa de manteiga derretida
1 colher de chá de fermento em pó
Manteiga para untar
1 vidro de xarope de maple

Modo de preparo
Bata no liquidificador o leite, a farinha, a manteiga e o fermento. Leve à geladeira por uma hora. Aqueça uma frigideira antiaderente e pincele-a com manteiga. Coloque uma concha da massa bem no centro da panela. Frite por um minuto. Vire a panqueca com o auxílio de uma espátula e frite por mais um minuto. Repita esse procedimento até terminar toda a massa. Sirva com o xarope de maple.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.