• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Vidas em Movimento Estudo, trabalho e o grito de independência de pessoas com Down no Recife Cursos voltados a eventos e ao turismo local geram oportunidade de inserção no mercado de trabalho a pernambucanos com Síndrome de Down

Por: Lorena Barros

Publicado em: 21/05/2017 00:00 Atualizado em: 30/05/2017 16:17

Elis Araújo, de 24 anos, descobriu novos potenciais no curso de recepcionista de eventos para pessoas com síndrome de Down. Foto: Rafael Martins/DP
Elis Araújo, de 24 anos, descobriu novos potenciais no curso de recepcionista de eventos para pessoas com síndrome de Down. Foto: Rafael Martins/DP

Uma tarde ensolarada de fevereiro na Bacia do Pina. Os ares de veraneio da Zona Sul do Recife convidam para a celebração do amor. Bolo, docinhos, noivo no altar, chegada triunfal da noiva em uma lancha. Era o dia perfeito para o casal que tinha planejado a cerimônia com tanta antecedência. Nos bastidores daquela celebração, no entanto, outra pessoa estava tão realizada quanto ambos: Elis Araújo, de 24 anos. Era a primeira vez dela trabalhando no cerimonial de um casamento após passar por capacitação no curso de recepcionista de eventos para pessoas com síndrome de Down. “Eu treinava muito dentro de casa antes de participar do primeiro casamento”.

Por muitos anos, o caminho de Elis foi construído por limitações impostas pela falta de oportunidades. Naquele momento, ela se tornara parte de uma equipe. Dividia a responsabilidade de organizar o salão de festas, auxiliar com o vestido e buquê e a coordenar a entrada da noiva. Tudo aprendido em sala de aula e aplicado na vida. 

Esta foi a segunda certificação concluída por Elis em um período de dois anos – e ambas lhe abriram as portas do mercado de trabalho. Após o curso de informações turísticas, foi escolhida para um estágio profissional no Palácio do Campo das Princesas, por onde guiava semanalmente turistas. “Eu dava informações e mostrava os quartos que Dom Pedro II, Isabel e Leopoldina dormiram quando visitaram”, lembra a garota, que agora busca fazer um curso superior na área de eventos.

A administradora hospitalar Simone Araújo, mãe de Elis, diz que autoconfiança da filha aumentou sensivelmente após as oportunidades. Foto: Rafael Martins/DP
A administradora hospitalar Simone Araújo, mãe de Elis, diz que autoconfiança da filha aumentou sensivelmente após as oportunidades. Foto: Rafael Martins/DP
A representatividade é apontada por especialistas como um dos fatores principais para trabalhar a autoconfiança de quem tem alguma síndrome ou deficiência. “Quando uma pessoa com síndrome de Down trabalha, tem um dia para si, está inserida no espaço público, pode falar de si e de suas experiências. É uma forma de incorporar não só ela mesma, mas os demais integrantes dessa síndrome na sociedade”, explica o psicanalista e tutor da Faculdade Pernambucana de Saúde, doutor Pedro Gabriel Bezerra. 

O desafio da inclusão e da representatividade de pessoas com síndrome de Down no turismo e na realização de eventos locais motivou a criação dos dois cursos feitos por Elis, oferecidos pela Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur), em um investimento de R$ 7,4 mil. Com a iniciativa, outras 47 profissionais das duas áreas foram capacitados e uma nova turma de alunos deve ser formada ainda em maio de 2017.

Para a mãe de Elis, a administradora hospitalar Simone Araújo, a diferença do trabalho na vida da filha foi notório. “Esses cursos foram um divisor de águas na vida dela. Foi o primeiro momento em que passou a ter mais contato com pessoas com Down. A diferença do antes e depois é notável, principalmente quando olho a autoconfiança. É só dar uma oportunidade que eles fazem”.

Na hora de trabalhar, trabalhar. Na hora de amar...

A personalidade extrovertida, característicos cabelos vermelhos e o sorriso sempre no rosto cativam quem conhece Elis. Ainda assim, só depois do primeiro curso ela teve a oportunidade de expandir as relações de amizade. No fim da capacitação sobre informações turísticas, ainda em 2015, os responsáveis pelos alunos organizaram um encontro. A partir daí, as reuniões se tornaram cada vez mais frequentes e hoje o grupo virou uma grande família, batizada de Down+. No caso de Elis, abriu as portas até para um romance. Após algumas reuniões ela engatou um namoro com Antônio Neto, 32. 

Reservado, Antônio namora Elis há dois anos. Eles pretendem organizar o próprio casamento em 2020. Foto: Rafael Martins/DP
Reservado, Antônio namora Elis há dois anos. Eles pretendem organizar o próprio casamento em 2020. Foto: Rafael Martins/DP
Com uma personalidade bem diferente da de Elis, Antônio é reservado, costuma a se abrir apenas com pessoas que conhece bem. Organizado, coleciona medalhas de futsal e certificados de cursos diversos. Além de cerimonialista, ele trabalha meio expediente no departamento de recursos humanos de engenharia. A correria do dia a dia não impede que ele elenque o curso preferido: “Foi o para fazer casamentos”, brinca. Agora, quer fazer uma graduação na área de fotografia e trabalhar registrando momentos importantes como aqueles que já ajuda a realizar. 

Antônio e Elis, hoje, mantém um relacionamento de dois anos. Chegaram a trabalhar na mesma festa e começam a treinar para a própria cerimônia, prevista para o ano de 2020. Vão cultivando o muito que tem em comum, sendo a parte mais relevante a crença de que nada é impossível.

Antônio coleciona medalhas e certificados. Além de cerimonialista, trabalha no departamento de recursos humanos de engenharia e quer fazer curso de fotografia. Foto: Rafael Martins/DP
Antônio coleciona medalhas e certificados. Além de cerimonialista, trabalha no departamento de recursos humanos de engenharia e quer fazer curso de fotografia. Foto: Rafael Martins/DP


>> DIA D
Pensando na inclusão, agências do trabalho estaduais e municipais abrem um dia por ano apenas para pessoas com deficiência. Conhecida como “Dia D”, há mais de três anos a iniciativa reúne empresas no Recife e em Jaboatão dos Guararapes, geralmente no mês de setembro. Em 2016, só na sede da Boa Vista, Centro do Recife, 570 vagas de emprego foram disponibilizadas ao público. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.