DP Empresas Coworking é novo ponto de trabalho na Praça de Casa Forte

Por: Rochelli Dantas - Diario de Pernambuco

Publicado em: 16/03/2019 10:00 Atualizado em: 18/03/2019 12:02

Espaço conta com 169 posições de trabalho. Crédito: Be.Work/Divulgação.
Espaço conta com 169 posições de trabalho. Crédito: Be.Work/Divulgação.

O Recife recebe mais um coworking, mostrando que o mercado local tem evoluído neste aspecto de trabalho e aquecendo o segmento em Pernambuco. O Be.Work começou a funcionar no último dia 11, em um casarão na Praça de Casa Forte. Com investimento de R$ 1 milhão, são 500 metros quadrados de área construída, com ambiente para coworking e salas privativas, somando 169 posições de trabalho, além de uma infraestrutura completa. Este é apenas o primeiro passo da empresa, que já pensa em expandir os negócios com novas unidades em Boa Viagem e Olinda, previstas para o próximo ano.

O Be.Work conta, inicialmente, com 12 posições de trabalho no coworking e mais 15 salas privativas, com capacidade entre quatro e 12 posições, prontas para que empresas se instalem no local. "Temos alguns diferenciais, como o espaço maior nas posições de trabalho do coworking do que o padrão que costuma ser oferecido, com 1,20 metro cada. Além disso, oferecemos salas prime, que têm um jardim privativo ou uma varanda. E todas as salas já são entregues prontas, com móveis e pontos, a empresa precisa apenas levar o computador e se instalar", explica Newton Neto, que tem como sócios Marcos Freire, Diego Gama e Marcelo Kramer, estes dois últimos sócios investidores.

Sócios Marcos Freire, Newton Neto e Diego Gama já pensam em expandir os negócios. Crédito: Sol Pulquério/Divulgação.
Sócios Marcos Freire, Newton Neto e Diego Gama já pensam em expandir os negócios. Crédito: Sol Pulquério/Divulgação.

O casarão também conta com estrutura para quem optar em trabalhar no local, como sala de reunião equipada, área de convivência, cozinha compartilhada, banheiros com chuveiro e bicicletário. Também haverá um café na área interna e no jardim da casa. "A administração será feita por meio de um aplicativo e, através dele, é possível agendar a sala de reunião ou de call, além de ter acesso a comunicados de eventos", detalha o sócio, que pretende promover ações para estabelecer uma rede de contatos e criar uma aura de comunidade no Be.Work. "A gente quer fazer uma conexão entre as pessoas e as empresas, criar uma cadeia e fazer gerar negócios e relacionamentos internamente para que o coworking seja muito mais do que um ambiente de trabalho", acrescenta.

As expectativas para a primeira unidade do Be.Work são positivas. "Pela matriz que é dada como base para o segmento no mercado, a estimativa é de que a ocupação alcance 15% até seis meses de funcionamento e chegue a 45% de ocupação entre seis meses e um ano. Mas o nosso objetivo é chegar a 45% de ocupação já nos primeiros seis meses de operação. Estamos bastante confiantes porque um coworking precisa ter três coisas para dar certo: localização, e a nossa é a mais qualificada, estrutura, e temos um ambiente completo e estruturado, e serviço, que investimos para dar um bom suporte", ressalta Newton Neto.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.