parceria Acionistas da Embraer aprovam parceria estratégica com a Boeing

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 26/02/2019 11:42 Atualizado em:

Em assembleia geral extraordinária realizada nesta terça-feira, sócios da fabricante brasileira de aeronaves dão aval para formação de joint venture com a gigante norte-americana. Foto: Eric Piermont/AFP
Em assembleia geral extraordinária realizada nesta terça-feira, sócios da fabricante brasileira de aeronaves dão aval para formação de joint venture com a gigante norte-americana. Foto: Eric Piermont/AFP
Os acionistas da fabricante brasileira de aeronaves Embraer aprovaram, nesta terça-feira (26/02), o acordo com a gigante norte-americana Boeing, em um negócio avaliado em US$ 5,26 bilhões. Na assembleia geral extraordinária (AGE), 96,8% de todos os votos válidos foram favoráveis à transação, com a participação de aproximadamente 67% das ações em circulação. 

Na véspera, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) revogou a liminar que impedia a realização de assembleia. A suspensão havia sido determinada pela Justiça Federal de São Paulo na semana passada, a pedido dos sindicatos dos metalúrgicos e pela Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos, sob a alegação de ameaça aos interesses nacionais.

A Boeing e a Embraer anunciaram em dezembro de 2018 os termos do acordo e o governo brasileiro aprovou a transação em janeiro deste ano. A conclusão do negócio ainda está sujeita a aprovações junto a autoridades reguladoras, mas as duas empresas esperam concluir o negócio até o fim de 2019. Enquanto isso, a Embraer continuará operando as áreas de aviação comercial e do programa KC-390 de forma independente até a conclusão da transação.

Termos
A proposta aprovada pelos sócios da brasileira estabelece uma joint venture composta pelas operações de aeronaves comerciais e serviços da Embraer. A Boeing deterá 80% da nova empresa e a Embraer os 20% restantes. A transação avalia 100% das operações de aeronaves comerciais da Embraer em US$ 5,26 bilhões e contempla um valor de US$ 4,2 bilhões pela participação de 80% da Boeing na joint venture.

Os acionistas da Embraer também aprovaram a criação de uma joint venture para promover e desenvolver novos mercados para o avião multimissão KC-390. Sob os termos da parceria proposta, a Embraer vai ficar com 51% das ações da joint venture e a Boeing, com os 49% restantes.

“Essa importante parceria posicionará as duas empresas para oferecer uma proposta de valor mais robusta a nossos clientes e investidores, além criar mais oportunidades para nossos empregados”, disse Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente da Embraer. “Nosso acordo criará benefícios mútuos e aumentará a competitividade tanto da Embraer quanto da Boeing”.

“A aprovação dos acionistas da Embraer é um passo importante no processo de aproximar essas duas grandes empresas aeroespaciais. Essa parceria global estratégica tem como base o longo histórico de colaboração entre Boeing e Embraer, beneficia nossos clientes e acelera nosso crescimento”, disse Dennis Muilenburg, presidente da Boeing.

Os negócios de defesa e jatos executivos e as operações de serviços da Embraer associados a esses produtos permanecerão como uma empresa independente e de capital aberto. Uma série de acordos com foco na cadeia de suprimentos, engenharia e instalações garantirá benefícios mútuos e maior competitividade entre a Boeing, a joint venture e a Embraer.

“Nossos acionistas reconheceram os benefícios da parceria com a Boeing na aviação comercial e na promoção do avião multimissão KC-390, assim como compreenderam as oportunidades que existem nos negócios da aviação executiva e defesa”, disse Nelson Salgado, vice-presidente executivo de Finanças e Relações com Investidores da Embraer.

“As equipes da Boeing e da Embraer compartilham a paixão pela inovação, o comprometimento com a excelência e um orgulho profundo de seus produtos e pessoas – as duas joint ventures fortalecerão estes atributos na medida em que, juntos, construímos um futuro promissor”, disse Greg Smith, vice-presidente executivo Financeiro e vice-presidente de Estratégia e Desempenho Empresarial da Boeing.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.