Energia Decisão sobre leilão de térmicas deve sair em 2 meses, prevê EPE

Por: AE

Publicado em: 15/02/2019 15:24 Atualizado em:

Foto: Reprodução/Flickr
Foto: Reprodução/Flickr
Em sua primeira entrevista com presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o engenheiro Thiago Barral se disse otimista com a economia brasileira e prevê uma alta de 4% no consumo de energia elétrica este ano no País, contra os tímidos 1,1% do ano passado. Na estatal desde 2007, Barral tem uma agenda extensa este ano com o novo governo e estima que pelo menos dois leilões serão realizados, com possibilidade de um terceiro dedicado à contratação apenas de térmicas, o chamado "leilão de potência" que vem sendo estudado desde o ano passado. Um leilão para atender Roraima também vem sendo estudado.

"A discussão sobre o leilão de potência deve terminar em breve, no momento estamos discutindo o formato, se vai ser atendido pelo A-4, A-6, de reserva. Em dois meses isso deve ser equacionado", informou Barral.

Para 2019, a EPE trabalha com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,3% e de 2,7% para 2020, o que aponta para a necessidade de incremento na geração. Este ano Barral prevê a realização de leilões para compra de energia a partir de 2023 (A-4) e 2025 (A-6), em junho e setembro, respectivamente. Outro leilão, para atender o mercado de Roraima, também deverá ser realizado. "Nossa agenda é bastante abrangente, até março deve definir as datas dos leilões", disse.

Entre os estudos que estão sendo conduzidos na autarquia, Barral citou as hidrelétricas que poderão entrar nos próximos leilões da EPE, como Castanheira, em Mato Grosso, e Bem Querer, em Roraima, sendo esta última fundamental para resolver os problemas de abastecimento do Estado, atualmente ainda dependente em parte da energia fornecida pela Venezuela.

De acordo com Barral, junto com a integração ao sistema a hidrelétrica poderia trazer benefícios ao sistema, devido ao regime hidrológico da margem esquerda do Rio Amazonas, que é complementar ao resto do sistema. "Ainda não entram no leilão deste ano porque faltam estudos, estamos há dois anos estudando, mas Bem Querer é emblemático pelas condições de suprimento de Roraima, são 650 megawatts, mais do que o dobro da demanda local", informou, prevendo que os estudos de impacto ambiental de Bem Querer devem ser finalizados em 2020. Para este ano, os leilões devem trazer projetos hidrelétricos como Ercilândia, Apertados e Telêmaco Borba, no Paraná, informou Barral.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.