negócios Para crescer no Brasil, Google aposta no 'analógico'

Por: Jaqueline Mendes - Correio Braziliense

Publicado em: 06/02/2019 07:59 Atualizado em:

Aparelho chega ao mercado brasileiro com preço sugerido de R$ 349 e com poucas mudanças em relação à versão anterior. Foto: Google/Divulgação
Aparelho chega ao mercado brasileiro com preço sugerido de R$ 349 e com poucas mudanças em relação à versão anterior. Foto: Google/Divulgação
Nem só de inovações tecnológicas depende o mercado de tecnologia. Ao contrário. Gigantes como o Google estão de olho no consumidor que não parece estar antenado às novidades do mundo digital. Um exemplo incontestável desse fenômeno foi o lançamento nesta semana da terceira geração do Chromecast 3, dispositivo desenvolvido pelo Google para conectar televisores convencionais à internet ou a smartphones. Detalhe: todos sabem que o acessório vai cair em desuso em pouco tempo, já que é inútil para quem possui televisores mais modernos em casa. “Atualmente, é como abrir uma vídeolocadora ou uma oficina de telefones públicos, os famosos orelhões”, afirma Alexander Grous, especialista em novas tecnologias da consultoria americana Freshminds.

Na prática, o que o Google está atrás é de novos consumidores, especialmente daqueles que preferem prolongar a troca da tevê. O dispositivo, anunciado em outubro de 2018 nos EUA, chegou nesta semana ao Brasil por um preço sugerido de R$ 349, mais barato do que a versão anterior, que desembarcou por aqui em abril de 2016 por R$ 399. Uma smart TV nas principais redes varejistas do país custa, em média, R$ 1,4 mil. Desde 2016, o segmento acelera sem parar e a previsão é de que as vendas aumentem pelo menos 7% ao ano até 2023. “Ainda haverá um certo tempo de vida para esses equipamentos, incluindo o Apple TV, mas é certo de que todos serão substituídos pela popularização das smart TVs”, acrescenta Grous.

Tecnicamente, o novo dispositivo do Google apresenta poucas mudanças em comparação ao Chromecast 2. A novidade, no entanto, é de que ele promete ser 15% mais rápido. O Google manteve a resolução Full HD, de 1080 pixels, com a vantagem de que agora ele reproduz em 60 frames por segundo (fps), o dobro da versão anterior, gerando transições de imagens mais nítidas e sem granulações. No quesito design, a nova geração continua parecida com a antecessora, mas ligeiramente menor e mais discreta. Embora também tenha sido lançado na cor branca, apenas a versão cinza-escuro virá ao Brasil.

Características 
O Chromecast é um dispositivo que permite transmitir vídeos e outros conteúdos na TV usando o celular ou o computador como controle. Ele funciona com smartphones Android e iPhone (iOS), por meio do aplicativo Google Home, ou com computadores Windows e MacOS, por meio do navegador Chrome. Com o aparelho, os usuários podem transmitir vídeos para a televisão e aproveitar aplicativos como YouTube, Netflix e Spotify, assim como jogos do Just Dance.

Outra vantagem do Chromecast 3 é a possibilidade de controlar o dispositivo por comandos de voz. Isso é possível graças à integração com a caixa de som inteligente Google Home. O aparelho também é compatível com câmeras de segurança Nest e permite ver as imagens direto na TV. No entanto, a maioria dos brasileiros não deve aproveitar os recursos, já que esses aparelhos não estão à venda por aqui. Além disso, o aparelho é compatível com Wi-fi 802.11 e funciona nas bandas 2,4 GHz e 5 GHz. O novo Chromecast também vem com o modo ambiente, que já existia na geração anterior e permite transformar a TV em uma espécie de quadro digital. Com ele, o usuário pode projetar na tela imagens do Google fotos ou informações como previsão do tempo e hora.

A primeira versão do Chromecast foi a de 2013 e chegou ao Brasil em 2014. Depois disso, o Chromecast 2 desembarcou por aqui em 2015. Já em outubro de 2016, o Google lançou o Chromecast Ultra, o único modelo compatível com resolução 4K. O produto, no entanto, não foi vendido no país. Nos Estados Unidos, vendidas em supermercados e farmácias, as três gerações do Chromecast foram lançadas por US$ 35, o equivalente a R$ 130.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.