frigoríficos BRF pretende retomar mercado com Arábia Saudita em três meses

Por: Hamilton Ferrari - Correio Braziliense

Publicado em: 23/01/2019 11:36 Atualizado em:

De acordo com a BRF, a companhia já iniciou os ajustes necessários em sua cadeia produtiva. Foto: Nelson Almeida/AFP
De acordo com a BRF, a companhia já iniciou os ajustes necessários em sua cadeia produtiva. Foto: Nelson Almeida/AFP
Em razão das sanções adotadas pela Arábia Saudita aos frigoríficos do Brasil, a BRF — uma das afetadas pelo descredenciamento de unidades — comunicou aos acionistas e ao mercado que, apesar da decisão de exclusão de uma de suas plantas, a empresa ainda mantém oito estabelecimentos habilitados para a exportação de frango para o país que “possuem capacidade suficiente de atendimento da demanda daquele mercado”. 

A Arábia Saudita descredenciou cinco dos 30 frigoríficos brasileiros que vendiam proteína animal para o país. Destes, um era da BRF, a que fica localizada em Lajeado, no Rio Grande do Sul.  “Sendo assim, o impacto efetivo dessa medida para a BRF se restringe às exportações da planta de Lajeado, que vinha operando com um volume de aproximadamente 6,5 mil toneladas/mês de exportação para a Arábia Saudita”, informou o comunicado. 

De acordo com a BRF, a companhia já iniciou os ajustes necessários em sua cadeia produtiva e estima que, em no máximo 3 meses, retomará “o mesmo patamar de embarques para a Arábia Saudita verificado antes deste comunicado”. “Assim, a perda de receita líquida não é material, visto que a estimativa de empresa é que poderá atingir no máximo 0,1% da receita líquida auferida nos últimos 12 meses encerrados em setembro de 2018, ou R milhões nesse período de três meses”, completou a empresa. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.