DP Empresas UniFBV aposta R$ 1,5 milhão no núcleo de saúde Montante será investido em novos laboratórios, uma clínica de odontologia e reforço no atendimento à comunidade

Por: Sávio Gabriel - Diario de Pernambuco

Publicado em: 29/12/2018 14:00 Atualizado em: 28/12/2018 11:50

Em 2018, unidade teve aumento de 70% nas matrículas. Foto: Divulgação/FBV (Foto: Divulgação/FBV)
Em 2018, unidade teve aumento de 70% nas matrículas. Foto: Divulgação/FBV
Com 47 cursos e aproximadamente cinco mil alunos, o Centro Universitário UniFBV/Wyden vai investir R$ 1,5 milhão até o primeiro semestre de 2019 na consolidação do núcleo de saúde da instituição. A meta é construir novos laboratórios, uma clínica de odontologia, além de reforçar o núcleo de atendimento à comunidade. Além disso, a instituição espera um crescimento de pelo menos 50% nas matrículas em relação a 2018 e aposta também numa parceria junto ao Real Hospital Português para ajudar na inserção de seus alunos no mercado.

“A parceria já está funcionando, mas no modelo de soft opening. A ideia é que alunos dos cursos de Gastronomia, Nutrição e Hotelaria estagiem lá. E aí o hospital escolheria os que mais se destacarem”, explica Stephan Filippo, reitor do centro universitário. Segundo ele, a parceria faz parte da estratégia de consolidar a área de saúde, algo considerado um dos principais desafios da instituição. “Durante muito tempo coexistimos com a FPS (Faculdade Pernambucana de Saúde), que funcionava no mesmo local. Acabava que as propostas acadêmicas se ofuscavam”.

Com a saída da FPS, além de ter um novo espaço físico para ampliar suas atividades, a UniFBV também espera se destacar nesse segmento. Em 2018, a instituição teve um crescimento de 70% em matrículas, impulsionado, sobretudo, pelo curso de odontologia. “Temos um laboratório dentário diferenciado, com estrutura americana. E consolidamos bastante o curso durante as visitas das escolas à instituição”, conta Filippo, acrescentando que o tradicional curso de Direito também é um dos mais procurados.

Todo o investimento que a instituição vem fazendo nos últimos anos fez com que ela obtivesse a nota 4 no Índice Geral de Cursos (IGC), promovido pelo Inep. “Esperávamos obter esse resultado no ano que vem”, conta Filippo, destacando que o índice leva em consideração a nota individual de cada curso, as visitas presenciais feitas pelo MEC, projeto pedagógico, infraestrutura, responsabilidade social, entre outros. Outro ponto que contribuiu, segundo ele, foi a existência de cursos de mestrado.

“Entre os centros universitários e universidades do estado, apenas nós e as Federais têm essa pontuação”, destaca, afirmando que a chegada da Devry (e posteriormente Adtalem) trouxe uma bagagem educacional e acadêmica diferenciada para os alunos.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.