DP Empresas Smart Networks será parceira da Embratel Empresa fará parte da segunda fase do Pernambuco Conectado, cuja licitação chega a R$ 180 milhões

Por: Thatiana Pimentel

Publicado em: 02/12/2018 10:00 Atualizado em: 30/11/2018 13:21

Ricardo Leite e André Medeiros esperam ativar, em 2019, o datacenter próprio no Porto Digital. Foto: Marina Curcio/ESP. DP (Foto: Marina Curcio/ESP. DP)
Ricardo Leite e André Medeiros esperam ativar, em 2019, o datacenter próprio no Porto Digital. Foto: Marina Curcio/ESP. DP
Você sabe dizer o que a Unimed, todas as UPAs de Pernambuco, todos os veículos de comunicação locais, os tribunais estaduais e a maioria das universidades privadas do estado têm em comum? Todos são clientes da Smart Networks, primeira e maior empresa pernambucana a implantar redes baseadas em rádios digitais e fibras ópticas na região. Com isso, grande parte da prestação de serviço de conexão à internet e rede de dados corporativos de Pernambuco passa pela Smart Networks. Criada pelos sócios Ricardo Leite e André Medeiros, a empresa será parceira da Embratel na segunda fase do projeto Pernambuco Conectado, cuja licitação é de R$ 180 milhões e visa ampliar a rede já existente e a oferta de serviços de dados, voz, segurança, WiFi, comunicação unificada e contact center.

Para 2018, a expectativa é de um crescimento de 30% e, em 2019, além do PE Conectado, a empresa também irá ativar seu datacenter próprio no Porto Digital e o serviço de acesso LTE privado na Região Metropolitana do Recife (RMR). “Comecei neste mercado porque em 1999 o modelo das provedoras concentrava o atendimento no Sul e Sudeste do país e os grupos empresariais locais não tinham atendimento personalizado”, explica Ricardo Leite. Segundo ele, num primeiro momento, a empresa trabalhava com internet para condomínios e para empresas. Após 2002, quando a Anatel lançou um novo regulamento sobre redes de rádio e serviços de internet, ele e o sócio começaram a expandir a marca e nos últimos 15 anos, conseguiram se consolidar como uma das maiores empresas do ramo do Nordeste. Em 2017, a Smart embarcou no edifício-sede do Porto Digital, no Recife Antigo, e se tornou uma das patrocinadoras oficiais do festival Rec’n’Play, realizado recentemente.

“No mesmo ano, conseguimos expandir ainda mais nossos negócios por causa da frequência liberada com a chegada da TV Digital”, reforça. Atualmente, a rede possui um backbone próprio suportado por cabos de fibra óptica, interligado a outros sistemas autônomos (AS – Autonomous Systems) nacionais e internacionais, além de conexão direta com os pontos de troca de tráfego espalhados por todo o país. Por conta desta estrutura, a Smart foi escolhida pelo CGI.BR (Comitê Gestor da Internet no Brasil) como PIX (ponto de interconexão) localizado na cidade do Recife.

No novo projeto, o PE Conectado II, a capital Recife será o ponto de concentração da rede. Doze cidades estratégicas servirão de pontos regionais para implantação de infraestrutura. Entre as cidades, estão Goiana, Fernando de Noronha, Palmares, Caruaru, Toritama, Garanhuns, Arcoverde, Petrolândia, Serra Talhada, São José do Belmonte, Ouricuri e Petrolina. O projeto prevê entrega de mais de 3.600 circuitos com sistema de segurança, quatro mil chips com tecnologia 4G para rede privada de telefonia móvel do estado, 25 mil linhas de celular e mais de 15 mil aparelhos e ainda wi-fi interno com 12,5 mil pontos de acesso em diversos órgãos estaduais, wi-fi externo com 2.950 pontos de acesso para uso em praças e locais públicos e mais de 29 mil ramais.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.