GOVERNO DE TRANSIÇÃO Economista diz não ver risco de interferência do novo governo na gestão do BC 'Parece um bom nome, embora não sabemos qual sua avaliação a respeito de temas como regime de metas de inflação', disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho

Por: AE

Publicado em: 16/11/2018 09:56 Atualizado em:

Foto: Arquivo/Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Arquivo/Wilson Dias/Agência Brasil
A indicação do economista Roberto Campos Neto para a presidência do Banco Central (BC) pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), é uma boa escolha, pois tudo indica que ele é um excelente profissional, avaliou o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno. "Parece um bom nome, embora não sabemos qual sua avaliação a respeito de temas como regime de metas de inflação", disse.

O economista observa que o futuro governo já sinalizou ser favorável à independência do BC. Neste sentido, acredita que a proposta deverá ser aprovada. Além disso, Rostagno acha pouco provável que a nova gestão interfira na condução do Banco Central. "O risco de isso acontecer é mínimo", concluiu.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.