Movimentação Terminal de Suape vai operar com novas cargas Com operação inicial focada no açúcar, Agrovia do Nordeste recebeu autorização dos órgãos federais e pode movimentar outros granéis sólidos

Por: Rochelli Dantas - Diario de Pernambuco

Publicado em: 03/11/2018 08:00 Atualizado em: 01/11/2018 21:10

A expectativa é de que sejam investidos R$ 79 milhões no local. Foto: Porto de Suape/Divulgacao
A expectativa é de que sejam investidos R$ 79 milhões no local. Foto: Porto de Suape/Divulgacao

O Porto de Suape deve ter um incremento na movimentação de granéis sólidos. Com operação inicial focada no açúcar, a Agrovia do Nordeste recebeu autorização dos órgãos federais para movimentar outros granéis sólidos de origem vegetal no terminal localizado no porto pernambucano. Atualmente, a movimentação no local é apenas de açúcar. O aditivo que autoriza a operação dos novos produtos foi assinado recentemente pelo Ministério dos Transportes, pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e Porto de Suape.

“Desde a estruturação do projeto, já prevíamos a diversificação de cargas. A autorização nos permite movimentar graneis sólidos de origem vegetal e fertilizantes, transformando o terminal em multicargas. Nesse primeiro momento, estaremos concentrados na importação de milho, cevada e trigo. Essas cargas vêm prioritariamente da Argentina e Chile para atender ao mercado do Nordeste”, afirma o diretor da Agrovia do Nordeste, João Gualberto.

A expectativa é de que sejam investidos R$ 79 milhões para implantação de novos silos com capacidade total de 30 mil toneladas e equipamentos destinados à movimentação de grãos e cereais. Apesar da projeção, o valor final do investimento, assim como o período em que o investimento será efetivado, só poderá ser confirmado quando for concluído o estudo de viabilidade técnica, econômica e ambiental (EVTEA), que está sendo feito pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

“Estamos em contato com potenciais clientes. No futuro, quando as novas estruturas estiverem implantadas, quadruplicaremos a capacidade de movimentação do terminal”, enfatiza o diretor do projeto. No ano passado, o terminal recebeu cinco navios e movimentou 51.569 toneladas de açúcar. Ao todo, o equipamento recebeu 2.718 caminhões e armazenou 60.720 toneladas de açúcar. O terminal permitiu reduzir o tempo de embarque do açúcar ensacado e 70 mil toneladas para outros granéis, o dobro dos navios anteriores. Para 2019, com a autorização de operação das novas cargas, os números serão reestudados.

Negociações
O terminal em questão é operado pela Odebrecht Transport (OTP), braço de infraestrutura da Odebrecht, e está na lista de ativos à venda. Nos bastidores, o que se comenta é que pelo menos três grupos já demonstraram interesse no empreendimento e as conversas estão em curso. O armazém possui 10.800 metros quadrados e 335 metros de cais. O local possui capacidade para movimentar 2.300 toneladas por hora. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.