Franquia Empresa aposta no refinamento da prata A Átimo, que vende acessórios vindos, sobretudo, do Sudeste asiático, nasceu já com o espírito de se multiplicar em forma de franquia pelo Nordeste

Por: Kauê Diniz

Publicado em: 27/10/2018 15:00 Atualizado em:

Empresárias Mariana Fragoso e Manoela Souza estão à frente da primeira operação, um quiosque no RioMar. Foto: Atimo/Divulgacao (Foto: Atimo/Divulgacao)
Empresárias Mariana Fragoso e Manoela Souza estão à frente da primeira operação, um quiosque no RioMar. Foto: Atimo/Divulgacao
Eles deram um laço em três potencialidades de características bastante diferentes e amarraram um negócio no qual apostam que pode ganhar terreno no mercado de acessórios femininos, sem esquecer o nicho masculino. A Átimo nasceu do conhecimento de alguns sócios com confecções de joias de prata no Sudeste asiático, a expertise da Concept, uma espécie de aceleradora de franquias gestada a partir da rede Açaí Concept, e o olhar feminino das empreendedoras Manoela Souza e Mariana Fragoso, à frente da operação do negócio.

A primeira unidade, um quiosque no Shopping RioMar, chega há cinco meses com o faturamento ultrapassando os R$ 45 mil mensais. Número que já leva os sócios a projetarem uma expansão, em 2019, seja no formato de lojas próprias, ou, sobretudo, franquias.

O investimento inicial no negócio foi de R$ 120 mil. Valor que, segundo as sócias, deve ser repetido para quem quiser apostar na marca como uma franquia. 

Rodrigo Melo, à frente da Concept e um dos sócios da Átimo, acredita que o faturamento médio deva chegar em  torno de R$ 50 mil mensais, com um lucro de 25% dessa quantia, a depender do valor aluguel onde o espaço esteja instalado. O modelo de franquia já está formatado para dar início ao processo nos próximos meses. “Já sentimos que o negócio deu certo e tem gente que já liga, sondando para querer saber sobre a possibilidade de franquia. Além disso, temos uma rede grande de parceiros, a partir dos negócios da Concept, agregando algumas marcas, que podem entrar como franqueados nessas futuras expansões”.

Com peças variando nos valores entre R$ 39 a R$ 500, Manoela e Mariana montaram um mix de joias importadas de Bali (Indonésia), Nepal, Índia e também Itália. As peças de prata 925 (prata de lei) ganham composições com pedras naturais, safira e zircônia. “Apostamos em joias de prata refinadas e nas tendências da moda boho, boho-chic, gypsy, hippie, folk e urbana. Chama muita atenção dos clientes o design minimalista, além da garantia eterna de limpeza que damos”, enfatiza Manoela.

As sócias já observaram que o perfil de quem adquire as joias da Átimo é majoritariamente jovem. Outro ponto destacado é a tendência de agregar as vendas no quiosque às ofertas no e-commerce. “As pessoas gostam muito de comprar pela internet e já sentimos uma receptividade muita boa da nossa marca nesse modelo, inclusive gente que mora no Recife e comprou pelo e-commerce”, conta Mariana. 

A expansão da marca, em 2019, como projetam os sócios, deve vir também com uma cara mais de Manoela e Mariana. A ideia é começar a fazer os desenhos das joias com profissionais locais, desenvolvendo linhas próprias com a matéria-prima vinda do exterior.  


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.