13º salário 13º salário vai injetar R$ 211 bilhões na economia no fim do ano Salário extra beneficiará 84,5 milhões de brasileiros, entre trabalhadores formais, aposentados e pensionistas dos setores público e privado. Em média, o rendimento adicional será de R$ 2.320

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 19/10/2018 08:13 Atualizado em:

Amanda Letícia e André Luiz Tengaten pretendem gastar o dinheiro extra com presentes para o filho e roupas. Foto: Marília Lima/CB/D.A Press
Amanda Letícia e André Luiz Tengaten pretendem gastar o dinheiro extra com presentes para o filho e roupas. Foto: Marília Lima/CB/D.A Press
O pagamento do 13º salário vai injetar R$ 211,2 bilhões na economia brasileira até o fim do ano, o equivalente a 3% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país). Aproximadamente 84,5 milhões de brasileiros serão beneficiados com rendimento adicional médio de R$ 2.320, segundo estimativas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Do total, R$ 139,4 bilhões irão para os empregados formais, inclusive os domésticos; R$ 71,8 bilhões, para aposentados e pensionistas da Previdência Social; R$ 26,9 bilhões para os do setor público.

O maior valor médio para o 13º será pago no Distrito Federal, R$ 4.278, e o menor, no Maranhão, R$ 1.560. O número de pessoas que receberá o abono natalino é 0,6% superior ao registrado em 2017, de acordo com o Dieese. Entre os beneficiados, 48,7 milhões, ou 57,6% do total, têm carteira assinada — incluindo 1,8 milhão (2,2%) de domésticos. Aposentados ou pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) representam 34,8 milhões (41,2% do total). E aproximadamente 1 milhão de pessoas (ou 1,2% do total) de aposentados e pensionistas da União, dos estados e dos municípios.

Entre as regiões, a parcela mais expressiva do 13º salário (49,1%) fica nos estados do Sudeste, seguido do Sul, 16,6% do montante; do Nordeste, 16%; do Centro-Oeste, 8,9%; e do Norte, 4,7%. Para os formalizados dos setores público e privado, cerca de 46,8 milhões de pessoas — excluídos os domésticos — serão R$ 137,1 bilhões. Por setor, serviços respondem por 64,1%; empregados da indústria, por 17,4%; comerciários, por 13,3%; trabalhadores da construção, 3,1%; e da agropecuária, 2,1%.

O que fazer
O 13º salário foi criado em 1962, para ajudar os trabalhadores nas festas natalinas e nas despesas fixas do início do ano seguinte, como mensalidades e matrículas escolares, IPTU, IPVA, entre outros, explicou Reinaldo Domingos, educador e terapeuta financeiro do Canal Dinheiro à Vista. “Com o passar do tempo, isso foi se perdendo, principalmente devido ao crédito fácil e às ofertas das instituições financeiras para o adiantamento do 13º”. O que era um extra, agora é ansiosamente aguardado para pagar dívidas. “O dinheiro já faz parte do orçamento para o equilíbrio financeiro”, reiterou Domingos.

Ao receber o 13ª, o trabalhador deve, então, priorizar as dívidas. Ele alerta, no entanto, que essa medida é apenas um paliativo. “Ataca o problema e não a causa. Se alguém gasta mais do que ganha, tem de descobrir o motivo do descontrole. Não tem outra saída a não ser adequar o salário ao padrão de vida, em conjunto com a família. O controle não funciona se um apertar o cinto e o outro continuar esbanjando”, destacou.

A aposentada Maria Gonçalves, 66, é do tipo que sabe economizar. “Seguro tanto os gastos desnecessários que tem gente que pensa até que eu sou rica. Sempre tenho algum guardado”, destacou Maria. Com o 13º, ela vai fazer obras no telhado e na cozinha da casa. Já o casal Amanda Letícia Lima, 25, e André Luiz Tengaten, 38, vai esquecer das dívidas até janeiro chegar. “Nesse fim de ano, vamos comprar presente para nosso filho, Luiz Miguel, de 1 ano, e roupa para nós”, disse Amanda. “A gente fica o ano inteiro na pressão. Chega uma hora que é preciso relaxar. Hoje já começamos a gastar o dinheiro do PIS que recebemos na semana passada”, justificou Tengaten.

O casal Abelardo Américo, 50, e Natasha Oliveira, 22, do Acre, está focado no tratamento de saúde do filho Lardo, de 1 ano. “Viemos para organizar a cirurgia cardíaca dele. Estamos na fila, já na reta final. Como temos que ficar próximos ao HRAN, para atender ao chamado a qualquer hora, tivemos de alugar apartamento no Plano Piloto”, destacou Américo. “A prioridade é o bebê. Fazemos o necessário por ele. Mas o aluguel aqui é muito caro”, reclamou Natasha.

Qualquer pessoas pode ser surpreendida com imprevistos. Por isso, segundo Cléber Américo Castro e Souza, planejador financeiro pessoal, é importante ter uma reserva financeira. “Ninguém está livre de passar por um momento difícil como enfermidade pessoal ou familiar ou desemprego. Sendo assim, podemos nos planejar para muitos desses eventos. Por essa razão, ter uma reserva financeira é uma forma de estar mais seguro no caso de passar algum perrengue”, reforçou.

Dicas
Especialistas indicam o que fazer com o dinheiro extra

»  Primeiramente, pague as suas dívidas

»  Se não tiver dívidas, antes de consumir, guarde uma parte do dinheiro

»  Fazer uma reserva será importante para bancar os compromissos do início do ano (IPTU, matrícula e material escolar)

»  Quem deseja viajar ou comprar um bem de alto valor ao longo do ano que vem também deveguardar o recurso

»  Endividados, antes mesmo de usar o recurso para abater dívidas, precisam descobrir os motivos que os levaram à inadimplência

»  Para, então, fazer uma faxina financeira e eliminar os supérfluos

»  Feito isso, o próximo passo é adequar o padrão de vida ao salário

Fontes: Educadores financeiros


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.