Finanças BNDES prevê desembolso maior em 2019

Publicado em: 19/10/2018 07:26 Atualizado em: 19/10/2018 07:33

Imagem: Paulo Vitor/Estadão
Imagem: Paulo Vitor/Estadão

O próximo governo vai encontrar um BNDES mais capitalizado, com capacidade de desembolsar até o dobro do volume de recursos liberados neste ano, que deve ficar na casa de R$ 70 bilhões. Se houver demanda, o valor, em 2019, pode ficar entre R$ 140 bilhões e R$ 150 bilhões, segundo o presidente do banco, Dyogo Oliveira.

"O banco poderia desembolsar no ano que vem R$ 140 bilhões, R$ 150 bilhões, sem dificuldade", afirmou Oliveira ao Estado, ao deixar o evento de comemoração do aniversário de 54 anos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). 

A estimativa de Oliveira considera a devolução de recursos da dívida do BNDES com o Tesouro Nacional. Em julho, o banco de fomento sacramentou com o governo um cronograma de devoluções, após uma reestruturação que antecipou o prazo final da dívida para 2040. Em 2019, o BNDES devolverá uma parcela de R$ 26 bilhões. 

O valor anual a ser devolvido vai caindo ao longo dos anos, até chegar a R$ 14 bilhões em 2039. Em 2019, também é possível que o BNDES tenha que devolver recursos para cobrir o déficit do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), principal fonte do banco. 

No lado das captações, a estimativa de Oliveira também leva em conta um ajuste na política de distribuição do lucro. Segundo Oliveira, o Conselho de Administração do BNDES já aprovou a proposta, anunciada em agosto, de reter 75% do lucro para capitalização do próprio banco. Com isso, o banco de desenvolvimento repassaria ao seu controlador, no caso, a União, apenas o mínimo legal de 25%. O presidente do BNDES projeta que o banco terá lucro líquido de R$ 8 bilhões este ano, ou seja, poderá reter R$ 6 bilhões para reforçar seu caixa. 

"Exatamente para o banco não necessitar de nenhum recurso, de nenhum suporte do Tesouro Nacional", disse Oliveira.

O executivo destacou ainda que o próximo governo encontrará o BNDES com "foco adequado" em pequenas e médias empresas e na infraestrutura, preparado para ser o maior desenvolvedor de projetos de infraestrutura do País e com "processos internos totalmente modificados para ter mais agilidade e eficiência nas operações".

Auditoria

Questionado sobre discursos da campanha eleitoral, que identificam no BNDES um foco de desvios de recursos públicos, Oliveira lembrou que a instituição de fomento já fez auditorias internas a partir da Operação Lava Jato e das investigações envolvendo o frigorífico JBS. O banco também contratou uma investigação externa, atualmente em curso, a cargo do escritório de advocacia americano Cleary Gottlieb. "Até o momento, não encontramos nenhum ato de corrupção dentro do BNDES. Isso é fundamental deixar claro", afirmou Oliveira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

fonte: Estadão Conteudo



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.