Construção civil Gesso é utilizado além do acabamento Após regularização das normas pela ABNT, produto está sendo utilizado na construção de casas, principalmente nos estados da região Sudeste do país

Por: Rochelli Dantas - Diario de Pernambuco

Publicado em: 29/09/2018 09:00 Atualizado em: 27/09/2018 21:09

Em média, uma casa de 42 metros quadrados leva entre dois e quatro dias para ter as paredes levantadas. Foto:	Josias Inojosa Filho/Divulgacao (Foto:	Josias Inojosa Filho/Divulgacao)
Em média, uma casa de 42 metros quadrados leva entre dois e quatro dias para ter as paredes levantadas. Foto: Josias Inojosa Filho/Divulgacao
Pernambuco detém 97% da produção de gesso do Brasil. Concentrada no Sertão do Araripe, a atividade gera 9.600 empregos diretos e atende a todo o país em variados setores econômicos mas é na construção civil onde estão os principais clientes. Mais da metade da produção (60%) é destinada a este segmento. E aí não estamos falando apenas de acabamentos, como os conhecidos rodapé ou rodateto. Hoje, o gesso é utilizado na construção como um todo, sendo usado desde levantamento de paredes internas e externas, reforçando a alvenaria, até os conhecidos e já tradicionais itens de decoração.

“O produto está sendo muito utilizado na construção de casas. Basicamente, é necessário que tenha um projeto direcionado e se estabeleça se será primeiro ou térreo e segundo andar. O uso tem crescido principalmente após a normatização do produto pela ABNT”, ressalta o presidente da Câmara Setorial do Gesso da Agência de Desenvolvimento de Pernambuco (AD Diper). A norma em questão é a 12129:2017 – Gesso para Construção Civil – Determinação das propriedades mecânicas, elaborada pela Comissão de Estudo Especial de Gesso Natural e Seus Derivados da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). A norma estabelece o método para determinação das propriedades mecânicas do gesso para a construção denominadas: dureza e resistência à compressão.

De acordo com Inojosa Filho, algumas características são primordiais para o aumento da procura pelo produto como, por exemplo, a facilidade de moldagem, boa aparência, acústica mais aprimorada e produtividade elevada. “A aplicação dos revestimentos em gesso é mais rápida e fácil do que a das argamassas convencionais, então o tempo da construção é bem maior. Para se ter uma ideia, uma casa de 42 metros quadrados para ser construída com gesso leva uma média de três a quatro dias para levantar as paredes e 15 dias para finalizar a obra”, calcula.

Na construção de edifícios, o gesso é utilizado nas paredes internas. “Em média, há uma redução de 30% no uso de aço e concreto nas superestruturas e de 11% na fundição”, ressalta Inojosa Filho. O empresário lembra ainda que o gesso é considerado um excelente isolante contra a propagação do fogo. Essa característica foi, inclusive, o ponto chave para que o produto ganhasse espaço no mercado europeu. Na França, o uso do gesso foi tornado obrigatório pelo Rei Luis XIV (conhecido como Rei Sol) em 1667, por causa de incêndio que destruiu Londres no ano anterior. Na época, as estruturas das casas eram feitas de madeira e passaram a ser revestidas com gesso para protegê-las do fogo.

Com relação à demanda, apesar da produção estar concentrada em Pernambuco, o produto não fica no Nordeste. Em torno de 60% do consumo está nos estados do Sudeste. Apenas 25% ficam no Nordeste. “O Araripe tem uma produção mais forte por conta do clima, que é muito seco e facilita a pré-fabricação dos moldes. De Pernambuco, distribuímos por via terrestre para todo o país”, pontua.

Câmara
A produção de gesso no estado é um dos pontos discutidos nas Câmaras Setoriais da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper). Entre os pontos que estão sendo tratados nas reuniões está a questão energética. “Discutimos a implantação de fontes energéticas renováveis para fazer com que as fábricas permaneçam na região. Além disso, debatemos a presença do estado como regulador de riquezas para que a competição entre as diversas empresas não seja desequilibrada”, conta. Uma reunião entre empresários do setor e membros da AD Diper está agendada para a próxima semana.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.