IMPACTO Tensão pré-eleição faz fundos elevarem capital 'represado' no País para R$ 36 bi Em agosto, o número de transações caiu a menos da metade do mesmo mês do ano passado

Por: AE

Publicado em: 17/09/2018 11:51 Atualizado em:

Foto: Reprodução/Pixabay
Foto: Reprodução/Pixabay
A tensão pré-eleição, que atingiu em cheio o mercado financeiro na semana passada, levando o dólar a R$ 4,20, também é sentida entre os fundos de private equity (que compram participações em empresas). O receio em fechar negócios neste momento é percebido tanto nos dados de total de operações fechadas quanto no aumento do estoque de dinheiro captado que ainda não foi aplicado. 

Em agosto, o número de transações caiu a menos da metade do mesmo mês do ano passado. De janeiro até julho, a cifra disponível, mas não investida, subiu em mais de R$ 5 bilhões, para R$ 36 bilhões.

Para Piero Minardi, presidente da Associação Brasileira de Private Equity ? vemos boas oportunidades", diz ele, que espera fechar duas operações após o segundo turno das eleições. Na parceria com a Apollo, a empresa tem R$ 1,3 bilhão para investir. 

O IG4 está em fase de capitalização do fundo que controla a Iguá Saneamento (ex-Cab Ambiental) e de um segundo fundo, de US$ 400 milhões, que terá foco em diferentes negócios. "Temos um 'pipeline' grande de ativos em análise", diz Paulo Mattos, sócio da IG4.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.