Sindmetal-PE consegue barrar três pontos da reforma trabalhista em indústrias de Pernambuco Em negociação, com apoio dos trabalhadores, foi decidido que, em Pernambuco, as indústrias metalúrgicas não vão permitir que grávidas trabalhem em locais insalubres

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 24/08/2018 16:54 Atualizado em: 24/08/2018 17:17

As empresas do segmento também não vão redução de salário e carga horária, nem diminuir a hora de almoço de 1 hora para 30 min. Foto: Ascom
As empresas do segmento também não vão redução de salário e carga horária, nem diminuir a hora de almoço de 1 hora para 30 min. Foto: Ascom

 

O Sindicato dos Metalúrgicos de Pernambuco conseguiu uma vitória na segunda rodada de negociações com empresários do setor, na sede do Ministério do Trabalho de Pernambuco. O Sindmetal-PE conseguiu barrar, no estado, a implantação de três pontos aprovados pela reforma trabalhista: a redução de salário e carga horária, a redução da hora de almoço de 1 hora para 30 min e a permissão para gestante e lactante trabalharem em locais insalubre e perigoso. Mais de 30 mil metalúrgicos serão beneficiados.

Segundo o presidente do Sindmetal-PE, Henrique Gomes, o avanço partiu das várias mobilizações realizadas nas portas de fábricas nas últimas semanas, onde foram sensibilizados trabalhadores da Gerdau, Gestamp, Musashi, Spectrum Brands, Trom, Ball Corporation, Mectronic e Renda. Ele ainda ressaltou que outras serão visitadas. “Esse avanço na negociação significa a demonstração que trabalhadores estão organizados junto ao seu sindicato na luta por nenhum direito a menos e barra a imposição dos patrões em querer aplicar a reforma trabalhista nos metalúrgicos. Nos dias 28, 29 e 30 deste mês teremos as últimas rodadas de negociação no Ministério do Trabalho e esperamos em comum acordo sair com resultados positivos para a categoria”.

Dentre os pontos da reforma trabalhista defendidos por empresários do setor, Henrique Gomes destacou: “Os patrões querem impor o 12x36 em toda produção; o banco de horas em toda produção; fazer homologação na empresa para o sindicato não fiscalizar, baixar o adicional noturno de 40% para 25%, acabar com a garantia do pré-aposentado; terceirizar toda produção e administrativo; aumentar o percentual do vale -transporte e acabar com o Plano de Saúde nas empresas para que o trabalhador pague 100% do quer usar”.

Na manhã de hoje, a empresa visitada foi a empresa visitada foi a Maje Nordeste (Mectronic). "O Sindmetal-PE permanecerá incansavelmente nessa luta contra a reforma que tira os direitos da categoria metalúrgica, mais fábricas serão mobilizadas pois só unidos os trabalhadores serão fortes e impedirão outros retrocessos", disse Henrique.

Com informações do Sindmetal



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.