DP Empresas União de marcas para conquistar mais mercado da construção Fabricante de cal MegaÓ e Cimento Nacional fazem parceria comercial para somar expertise na logística com produto considerado de primeira necessidade

Por: Luciana Morosini

Publicado em: 18/08/2018 11:00 Atualizado em: 17/08/2018 16:32

Os sócios Fernando Miranda e Antônio Brito esperam que a MegaÓ cresça 25%. Foto: Nando Chiappetta/DP
Os sócios Fernando Miranda e Antônio Brito esperam que a MegaÓ cresça 25%. Foto: Nando Chiappetta/DP

A união de duas empresas pode representar o fortalecimento de suas marcas em um momento que a economia brasileira ainda não mostra sinais definitivos da retomada pós-crise. A MegaÓ, fabricante de cal que atua há 85 anos no mercado nordestino, e a Cimento Nacional, do grupo Ricardo Brennand, firmaram uma parceria comercial com objetivo de somar a expertise de logística de uma com a força do produto considerado de primeira necessidade em uma obra da outra. O investimento em pessoal, equipamentos, frota e espaço foi de R$ 1,2 milhão nesta etapa inicial da junção comercial. A expectativa da MegaÓ é que, com a parceria, alcance um incremento de 25% no volume de vendas, enquanto o Cimento Nassau vai ter acesso à logística de distribuição de mais 2.500 pontos de vendas.

A MegaÓ, que tem a sua operação nascida em Pernambuco, é líder de vendas no estado e também na Paraíba, e ainda tem atuação no mercado alagoano. Na Região Metropolitana e Zona da Mata ela conta com 85% de participação no mercado no segmento de cal. Já o Cimento Nacional, que já tinha uma fábrica em Sete Lagoas (MG), voltou a produzir na Paraíba em 2015. "Com 85 anos de mercado, temos um processo logístico mais amadurecido e pensamos que poderíamos agregar outro produto que tem tudo a ver com o nosso e está dentro da mesma carteira de clientes. Um produto acaba gerando valor para o outro. Nós abrimos portas para eles com nossa logística e eles agregam um produto de primeira necessidade na nossa base de vendas", explica Antônio Brito, diretor Comercial da MegaÓ.

A MegaÓ conta com uma equipe de 10 representantes comerciais, divididos por regiões, e tem atuação desde pequenos armazéns de bairros até a home centers. "Temos 2.500 clientes ativos e podemos abrir portas para pelo menos 1.200 que não estavam presentes ainda com a Cimento Nacional", conta Antônio. A logística também é beneficiada com o Centro de Distribuição localizado no Ibura, com quatro galpões e área de 3.500 metros quadrados. "Vendemos para os pequenos, médios e grandes e, como o nosso Centro de Distribuição fica no miolo do Recife, facilita a logística. O representante faz o pedido e a logística corre para entregar o produto o mais rápido possível", complementa.

Os dois produtos terão espaço no Centro de Distribuição. Foto: Nando Chiappetta/DP
Os dois produtos terão espaço no Centro de Distribuição. Foto: Nando Chiappetta/DP

A princípio, o Centro de Distribuição não vai precisar passar por reforma e ampliação porque o espaço comporta as duas marcas. O Cimento Nacional terá à disposição, inicialmente, um espaço entre 800 e 1.000 metros quadrados. Caso a demanda cresça, existe a possibilidade de ampliar o Centro de Distribuição no Ibura. "No começo vamos começar a atuação desta parceria em Pernambuco, na Região Metropolitana e na Zona da Mata, e depois podemos pensar em levar os produtos em parceria para outros mercados, vamos costurar a possibilidade de ampliação de atuação porque sentimos que existe espaço para os dois lados crescerem", afirma o diretor.

Inclusive, já existem planos para ampliar a capacidade do Centro de Distribuição. "Temos planos e capacidade para dobrar o nosso CD, estamos esperando a resposta do mercado porque do jeito que a economia está hoje, não justifica o investimento, mas isso está na nossa pauta", diz. Inclusive, essa nova parceria pode ser o empurrão que faltava para o crescimento. "Com a parceria, a gente consegue otimizar custos e também nos preparamos para o aumento de demanda porque o mercado de cimento é de grandes volumes", conclui.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.