Mudanças Francisco Saboya deixa comando do Porto Digital Como caminhos norteadores, o nome e o rosto por trás do Porto Digital deixa quatro projetos que devem ser iniciados em 2019 e deverão ajudar na reocupação do centro do Recife, desenvolvendo o braço de revitalização urbana que deverá marcar a próxima gestão

Por: Thatiana Pimentel

Publicado em: 14/08/2018 18:56 Atualizado em: 14/08/2018 19:08

 (Marlon Diego/DP )
Francisco Saboya, 56 anos, o nome por trás do Porto Digital, deixou nesta terça-feira oficialmente o comando do maior parque tecnológico da América Latina para buscar novos desafios profissionais. Após mais de uma década sendo o head da instituição, o economista (1982), mestre em engenharia de produção pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e professor das disciplinas de Macroeconomia e Gestão de Sistemas e Tecnologia da Informação na Universidade de Pernambuco (UPE), além de especialista em tecnologia e economia criativa,vontará ao mercado comandando uma empresa de consultoria a partir de 1º de novembro.

O legado de Saboya, como o próprio resume, foi estruturado nos pilares de economia criativa, empreendedorismo e interiorização do Porto Digital. Como caminhos norteadores, o nome e o rosto por trás do Porto Digital deixa quatro projetos que devem ser iniciados em 2019 e deverão ajudar na reocupação do centro do Recife, desenvolvendo o braço de revitalização urbana que deverá marcar a próxima gestão.

“Fazia algum tempo que eu vinha conversando com a gestão sobre a necessidade de uma renovação porque trabalhamos com inovação. É uma história que precisava desse novo esforço e energia. Tive muito aprendizado e a minha trajetória no Porto é algo que vai ficar, sempre estarei por perto, considero a missão cumprida, mas sempre ficarei à disposição para contribuir e defender esse projeto incrível”, afirma. Segundo ele, o conselho do Porto, que conta com a presidência do cientista e professor de tecnologia Sílvio Meira terá até outubro para definir o sucessor de Saboya.

“O trabalho do próximo gestor será fazer o que já existe transbordar. É preciso ampliar e diversificar o nosso cenário constantemente, além do foco da expansão imobiliária e reocupação do centro, o próximo superintendente do Porto deverá captar mais parcerias com indústrias e transformar cada vez mais o Porto Digital no laboratório de experiências urbanas que o Brasil precisa. Já começamos, mas é ainda um longo caminho para consolidar essas vocações”, completa.

Como próximos passos, estão previstas as revitalizações de antigos edifícios como o prédio histórico do Diario de Pernambuco, uma concessão do governo estadual cujo projeto de retrofit deverá custar R$ 28 milhões. A obra está na fase de modelagem financeira dos investimentos e, se tudo der certo, deve começar a ser iniciada ano que vem, sendo concluída até 2021. Antes, até 2020, o porto deverá entregar o Hotel de Empresas, idealizado por Francisco Saboya e que ficará na Rua da Moeda, no número 50, com mais de dois mil metros quadrados de área e um aporte de cerca de R$ 4 milhões.

Nos planos, há ainda uma segunda unidade do Portomídia, o Apolo 169, voltada para pós-produção audiovisual e com o maior estúdio do Nordeste, cujo investimento será de R$ 10 milhões e mais um empresarial, que ficará na rua Dona Maria César. Ambas as obras devem ser iniciadas este ano e concluídas até o final de 2019.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.