DP Empresas Casa Chacon tem seis operações em um só lugar Empreendimento reúne quatro marcas diferentes no casarão do Poço da Panela, além de oferecer uma cozinha autoral e um empório com mais de dois mil itens

Por: Luciana Morosini

Por: Rochelli Dantas - Diario de Pernambuco

Publicado em: 04/08/2018 10:00 Atualizado em: 02/08/2018 19:30

Ricardo Pedroza já pensa em expandir o negócio para a Zona Sul com uma loja menor e mais enxuta. Foto: Peu Ricardo/DP
Ricardo Pedroza já pensa em expandir o negócio para a Zona Sul com uma loja menor e mais enxuta. Foto: Peu Ricardo/DP

O encontro do lugar perfeito para nascer um empreendimento foi o primeiro passo, mesmo quando ainda não existia uma ideia formatada do que viria depois. O conceito do negócio foi sendo estruturado na sequência e aos poucos, pensando em como ocupar da melhor maneira o belo casarão no Poço da Panela, na Zona Norte do Recife. Hoje a Casa Chacon, espaço na rua de mesmo nome e que recebeu R$ 1 milhão de investimento, tem uma proposta bastante definida: com seis operações em funcionamento simultaneamente, é um espaço gastronômico que oferece opções para quem deseja desde tomar um cafézinho, um sorvete ou um suco até a fazer uma refeição completa no local ou comprar artigos selecionados para levar para casa. Proposta que já é estudada para ser levada para outra área da cidade, provavelmente para a Zona Sul, mas em um formato diferenciado e menor, como uma loja express.

Ricardo Pedroza visitou a casa onde antes funcionava uma sorveteria e se apaixonou. Antes mesmo de ter a certeza de qual negócio abriria ali, assinou a papelada para ter o espaço à sua disposição. A primeira ideia que passou pela cabeça do empresário foi a de abrir uma filial da padaria Galo Padeiro, queridinha dos recifenses pelos seus croissants artesanais, no casarão. A parceria, de fato, foi fechada, mas, como o espaço era muito grande, com 350 metros quadrados, o formato foi crescendo. "Eu já tinha um bom pão e precisava de um bom café para acompanhar. E depois um bom sorvete, um bom suco, uma cozinha bem feita e um empório", resume o empresário, que comanda a Casa Chacon ao lado da esposa Fabiana.

Produtos do Galo Padeiro são um dos principais geradores de fluxo do local. Foto: Peu Ricardo/DP
Produtos do Galo Padeiro são um dos principais geradores de fluxo do local. Foto: Peu Ricardo/DP

Assim surgiu o conceito de store in store, que é loja dentro de loja. Além dos produtos do Galo Padeiro, a Casa Chacon tem o café Kaffe. "Lidiane Santos já foi eleita a melhor barista do Brasil e eu apostei no café dela, o nosso café leva essa bandeira. Tanto que isso é criador de fluxo no espaço", detalha. O sorvete é da Romeo Giulietta, produzido artesanalmente no Recife por um casal de italianos. Já o suco foi um encontro de Ricardo com a marca Cosechas, da Costa Rica. "Um amigo me falou desses sucos e que estava crescendo no Brasil. Aí fui até o Rio de Janeiro para conhecer e me apaixonei e logo me tornei franqueado master aqui em Pernambuco. Foi a primeira franquia deles que não é uma loja exclusiva da marca", explica.

Além das marcas que ocuparam a Casa Chacon, o espaço ganhou um toque de personalidade com a cozinha autoral, com pratos elaborados pela chef e consultora Luara Lira. As opções vão desde café da manhã, almoço e jantar. Além disso, há um empório com mix de mais de dois mil itens. "Queremos que o conceito de experiência que o cliente tem aqui que ele possa levar para casa também", ressalta Ricardo. Estas duas operações, inclusive, serão as responsáveis por movimentar festivais no local em períodos específicos, como o de camarão, de cervejas artesanais, de carnes nobres, entre outras ideias.

No quarto mês de operação, o empresário já constata o sucesso do local. "Quando a gente abre uma loja, tem uma expectativa, mas vai aprendendo com a experiência. Já colocamos mais nove mesas no salão por conta do fluxo, temos 34 funcionários e vamos ajustar os horários porque entendemos quando o movimento é maior", explica. De segunda a sexta, o horário de abertura será às 11h30, enquanto sábado e domingo às 8h. Já o fechamento será às 21h de domingo a quinta e às 22h sexta e sábado. Com a consolidação da marca Casa Chacon, Ricardo Pedroza já pensa em alçar novos voos. "Queremos começar expandindo pela Zona Sul com uma segunda loja ainda neste ano, mas em um formato diferente, tipo Chacon Express. A unidade do Poço da Panela tem 350 metros quadrados e a nova teria em torno de 40 m2", conta.

Espaço conta com primeira unidade no Recife de franquia de sucos da Costa Rica. Foto: Peu Ricardo/DP
Espaço conta com primeira unidade no Recife de franquia de sucos da Costa Rica. Foto: Peu Ricardo/DP

Sangue empreendedor que corre nas veias

Ricardo Pedroza se orgulha em dizer que levou a vida inteira como comerciante, mesmo antes de abrir a Casa Chacon, que veio para coroar a trajetória dedicada à área. Ele já foi dono de supermercado, viu seu empreendimento quebrar, se reinventou no negócio de camarão em uma empresa, resolveu sair da zona de conforto e investir no seu próprio negócio do ramo até surgir a ideia de inaugurar o espaço gastronômico no Poço da Panela. Se antes ele fazia home office, enquanto não estava viajando a trabalho, hoje seu escritório é em uma das mesas do salão da Casa Chacon. "Meu escritório agora é aqui na loja e passar o sábado e o domingo aqui não é sacrifício para mim. Eu gosto de receber os clientes, os amigos e de fazer novos amigos. O negócio tem isso também e queremos que os clientes se sintam em casa, como diz o nome do lugar", conta.

O empresário trabalhou a vida toda como comerciante e empreendedor e, por isso, tem apenas seis anos de carteira profissional assinada. "Quando eu quebrei, fui empregado. Eu tinha um supermercado em Barreiros e outro em Tamandaré e, com a cheia de 2010, acabei quebrando o negócio no primeiro município e saí desse ramo", diz. Além disso, desde 2002, ele trabalha no business de camarão. "Eu fui gerente industrial e comercial em uma fazenda que tinha foco na exportação. Aí a economia mudou e o mercado interno ficou mais interessante. Essa minha experiência me deu conhecimento e, como eu acreditava no produto, em 2008 vi que poderia ir mais longe, sair da minha zona de conforto para pedir para sair da empresa para ser comissionado em outras três empresas menores. Aí vi o meu negócio crescer, cheguei a comercializar 20% da produção de camarão do Brasil", detalha.

Até hoje, Ricardo trabalha no ramo, inclusive viajando todo o Brasil para fazer negócios. Foi quando surgiu a vontade de empreender em uma loja. "Minha esposa já tinha a experiência de ter tido uma padaria, já tinha trabalhado comigo no supermercado e meus filhos estão com formação em Administração, então abrimos um negócio também pensando neles", diz. Inclusive, um negócio não está totalmente desvinculado do outro, já que o camarão é base de muitos pratos do cardápio da Casa Chacon e também é vendido congelado no empório para quem deseja cozinhar em casa.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.