DP Empresas Produção de água mineral com impacto social Cervejaria Ambev lançou a água mineral AMA, que tem 100% do lucro destinado a projetos de acesso à água no Semiárido

Por: André Clemente - Diario de Pernambuco

Publicado em: 02/08/2018 11:00 Atualizado em: 31/08/2018 16:34

Andréa Matsui afirma que foco em Pernambuco está em escolas de comunidades. Foto: Ambev/Divulgação
Andréa Matsui afirma que foco em Pernambuco está em escolas de comunidades. Foto: Ambev/Divulgação

Com dezenas de unidades industriais no país, a Cervejaria Ambev resolveu implantar um projeto de real impacto social. A atenção se voltou para o principal ativo da produção: a água. E água no sentido mais amplo. Água como produto e como forma de garantir segurança hídrica. Lançada há um ano, a água mineral AMA tem 100% do seu lucro destinado a projetos de acesso à água no Semiárido. Já são R$ 2 milhões aplicados em projetos em parcerias com estados do Nordeste e Norte, além de Minas Gerais. Em Pernambuco, cerca de 1,5 mil estudantes serão beneficiados a partir de projetos em andamento, focados na construção de cisternas para abastecimento de água, além de capacitação para gestão da infraestrutura implantada.

A gerente nacional de sustentabilidade da Ambev, Andréa Matsui, destaca que a decisão de investir na segurança hídrica foi unânime quando se pensava em uma aposta social a receber atenção da empresa. "Os levantamentos internos mostraram que 35 milhões de pessoas no Brasil não têm acesso à água, sendo a maioria no Norte e no Nordeste. A gente entendeu que o tema é forte e que não tem fórmula mágica para reverter o quadro. Então a gente escolheu ações que promovessem o acesso, mas que gerassem um ganho das comunidades, de gestão, de autonomia. Em Pernambuco, por exemplo, o foco foi em escolas de comunidades, porque a gente soube que algumas unidades não tinham aula por falta de água. Se a gente conseguir recuperar isso, missão cumprida".

No estado, os municípios que vêm recebendo as intervenções do lucro da AMA são Pesqueira, Buíque e Sertânia. Em Pesqueira, na comunidade Quilombola Nego do Osso, a escola Municipal Governador Eduardo Henrique Accioly Campos receberá a construção de cisterna escolar, além de capacitação e implantação de horta e pomar. Em Buíque, três comunidades serão atendidas: a Aldeia Mina Grande - Tribo Kapinawá, a Quilombola Mundo Novo e a Comunidade Catimbau. Escolas das três comunidades receberão cisterna escolar, capacitação, implantação de sistema de reúso para a horta e pomar. Em Sertânia, a Escola Municipal Antônia Marcos da Silva, na comunidade Quilombola Riacho dos Porcos terá a atenção.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.