STF FUP: Decisão do ministro Toffoli favorável à Petrobras foi 'intempestiva' O ministro suspendeu os efeitos do julgamento que condenou a Petrobras a pagar R$ 17 bilhões aos trabalhadores

Por: AE

Publicado em: 27/07/2018 21:08 Atualizado em:

 (Foto: Agência Brasil)
Presidente da Federação Única dos Petroleiros (FUP), principal entidade sindical representante dos empregados da Petrobras, Simão Zanardi chamou de "intempestiva" a decisão do presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, de suspender os efeitos do julgamento do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que no fim de junho condenou a Petrobras a pagar R$ 17 bilhões aos trabalhadores.

"O acórdão do TST nem chegou a ser publicado e o STF já se posicionou. Acho estranho que isso tenha acontecido justamente no dia em que a ministra Cármem Lúcia se ausentou do cargo de presidente do STF", afirmou Zanardi.

Em sua decisão favorável à Petrobras, Toffoli argumentou que "são notórios os efeitos econômicos que a implementação dessa decisão (condenação do TST) poderá acarretar aos cofres" da Petrobras. Afirmou ainda que, embora o acórdão ainda não tenha sido publicado, a empresa é previamente prejudicada pela condenação.

"O STF já julgou situações similares a essa e se posicionou favoravelmente aos empregados. O que está em questão é a justiça e não o caixa da empresa. Esperamos que siga o mesmo caminho nesse processo", disse Zanardi, complementando que a ação diz respeito a adicionais trabalhistas para os empregados que atuam em áreas de risco, como plataformas e refinarias. Ao todo, segundo a FUP, 30 mil receberão o dinheiro, caso o STF se posicione favoravelmente aos empregados.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.