Feira Empreendedorismo social na Fenearte O corredor 21, nominado Rua da Solidariedade, abriga estandes de vários projetos, com produtos de artesãos em situação de carência ou reeducandos

Publicado em: 12/07/2018 17:10 Atualizado em:

O empreendedorismo social está presente na 19ª Fenearte, que segue até o próximo domingo. Ao todo, 18 instituições que fazem trabalhos com artesãos em situação de carência ou reeducandos estão expondo seus produtos na feira, todos no corredor 21: a Rua Solidária. Para quem visita o evento, é uma oportunidade de encontrar peças artesanais únicas e ainda ajudar uma família. Um dos grupos é o projeto Aria Social, que fica em Jaboatão dos Guararapes e está participando pela segunda vez do evento. São 700 itens expostos, todos confeccionados pelas 80 mulheres integrantes da iniciativa. A expectativa da organização é comercializar todos os itens durante a feira.

A presidente da instituição, Cecília Brennand, explica que, através do Projeto Casa de Maria, mães e familiares dos alunos do Aria Social foram capacitados e produziram todas as peças para comercialização. “O estande 584 da Rua Solidária 21 virou mais que um ponto de vendas, sendo base avançada para captação de recursos, pois o objetivo é aproveitar o movimento qualificado desse evento grandioso para buscar novos parceiros e até contratos nacionais e internacionais”, afirma. Segundo ela, as mães, que carinhosamente se autodenominam Marias, sonham com novas encomendas ou mais visitas à sede do projeto no período pósfeira. Na entidade, crianças e jovens são atendidos com aulas de dança, música, raciocínio lógico e português. O espaço fica na Avenida Ayrton Senna, 748, em Piedade.

No local, cerca de 80 mulheres participam de oficinas e o trabalho no artesanato com o crochê, macramê, tecelagem, cartonagem e o manuseio de junco e linha. No estande do Aria Social é possível encontrar luminárias, cestas e sousplat de junco, estampas de Julieta Cavalcanti aplicadas em ecobags, necessaires, bandejas, bolsas marcadores de livros, cestos utilitários de crochê, camisetas e vestidos da Conceito Marina e aromatizadores de ambiente. Os preços vão de R$ 10 a R$ 1 mil.

Na mesma rua, no estande de número 544, os visitantes poderão encontrar também peças confeccionadas pelos reeducandos que cumprem pena em penitenciárias da Região Metropolitana do Recife e do interior do estado. Entre os produtos disponíveis estão mesas e centros feitos com tronco de árvore, casinhas de boneca, peças de barro, móveis em pallet, jogo de xadrez, artigos feitos de papel e quadros pirografados. Muitas dessas peças foram produzidas a partir de materiais reciclados. Participam ainda da Rua Solidária a Aliança de Mães e Famílias Raras, Lar do Nenen, Associação Pernambucana de Apoio aos Doentes de Fígado e dos Portadores de Leucemia, Casa de Apoio ao Idoso Vovó Bibia, Fundação Alice Figueira, Funase, Grupo de Ajuda a Criança com Câncer, Instituto Cristina Tavares e Maria da Penha, Lar Fabiano de Cristo e Nova Esperança, NACC,Sociedade Assistencial Saraiva e Unicap.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.