Petróleo Opep e aliados iniciam reunião de cúpula para discutir aumento na produção

Por: AE

Publicado em: 22/06/2018 07:56 Atualizado em:

Ministros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de outros dez grandes produtores iniciaram hoje uma reunião de cúpula em Viena, a capital austríaca, para determinar o quanto o grupo está disposto em ampliar sua produção, depois de Arábia Saudita e Irã tentarem superar suas divergências de forma reservada.

O encontro da Opep e aliados começou com mais de uma hora de atraso, após os ministros de Energia saudita, Khalid al-Falih, e iraniano, Bijan Zanganeh, se reunirem para uma conversa bilateral, segundo fontes com conhecimentos do assunto.

Ao longo da semana, Zanganeh afirmou que o Irã era contrário ao aumento da produção e acusou a Arábia Saudita de fazer o jogo dos EUA, ao pressionar por um forte acréscimo na oferta.

Falih, por sua vez, propôs um aumento na produção de 1 milhão de barris por dia (bpd). Como a elevação seria distribuída de forma proporcional para todos os membros do grupo - mesmo os que não tem condições físicas de ampliar a oferta - qualquer aumento de fato seria menor, mais próximo de 600 mil bpd, disseram fontes.

Antes da cúpula, Falih disse a repórteres que manteria a proposta de aumento de 1 milhão de barris que já havia feito ontem, mas alertou que alguns países-membros não teriam como contribuir para a elevação.

Falih também comentou que qualquer futura alta da produção será gradual. Segundo o ministro saudita, os produtores voltarão a se reunir na Argélia, em setembro, para avaliar a oferta e demanda do petróleo.

"Não acho que se deva esperar um aumento imediato no volume de petróleo bruto no mercado", disse Falih. Nesta manhã, os futuros de petróleo negociados em Londres e Nova Ýork sobem mais de 1%.

Zanganeh, por sua vez, disse que espera ver mudanças na proposta de elevação de 1 milhão de barris, mas não ofereceu detalhes.

"Nós vamos mudar a estrutura" da proposta, disse o iraniano, acrescentando que o texto precisa ser finalizado.

Por um acordo que está em vigor desde o começo do ano passado, a Opep e aliados têm procurado reduzir sua produção conjunta em cerca de 1,8 milhão de barris por dia (bpd). Ontem, os sauditas propuseram um aumento de 1 milhão de bpd, que, na prática, reduziria os atuais cortes na oferta a 800 mil bpd.

O pacto, que ficaria em vigor até o fim de dezembro, ajudou a conter o excesso de oferta de petróleo e a impulsionar os preços da commodity.

Na semana passada, o presidente dos EUA, Donald Trump, culpou a Opep pela alta do petróleo, que nos últimos meses atingiu os maiores níveis em três anos e meio. Fonte: Dow Jones Newswires.

fonte: Estadão Conteudo


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.