CONSEQUÊNCIAS Agronegócio perde R$ 500 milhões por dia com tabelamento do frete rodoviário Valor é atribuído apenas aos mercados de soja e milho, somando RS 10 bilhões nos primeiros 20 dias de vigor da medida, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Por: Agência Estado

Publicado em: 21/06/2018 08:20 Atualizado em:

Foto: Roberto Parizzoti / Fotos Públicas
Foto: Roberto Parizzoti / Fotos Públicas
A cada dia, a perda do agronegócio brasileiro provocada pelo tabelamento do frete rodoviário é de R$ 500 milhões só nos mercados de soja e milho. Nos 20 dias de vigor da medida, portanto, o prejuízo chega a R$ 10 bilhões para esses dois grãos segundo cálculos da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) na audiência de conciliação promovida ontem pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, na ação que discute a constitucionalidade da medida.

"Temos um problema emergencial", afirmou o chefe da assessoria jurídica da entidade, Rudy Ferraz. "Meio bilhão de reais por dia não é qualquer coisa." Ele acrescentou que metade da produção agrícola está "parada" em pleno período de safra.

Mas os problemas se espalham por outros produtos, mostra o levantamento feito pela CNA. No caso do arroz, por exemplo, metade do produto enviado aos portos está represada. No café, que estima que o custo do transporte dobrou, a dificuldade é levar o produto para as torrefadoras. Com isso, há um atraso na produção e os exportadores estão arcando com custos adicionais no transporte.

A conta já recai sobre os consumidores. Nas gôndolas, o leite já registra aumento de 50% e o frango, de 45%. O preço do arroz subiu 10% e o do feijão, em torno de 15%, segundo informa a CNA.

Navios

O problema dos 60 navios parados nos portos à espera de carga, mostrado pelo jornal O Estado de S. Paulo no último dia 12, continua. As taxas de demurrage, pagas pela permanência das embarcações, somam R$ 6,7 milhões ao dia, ou R$ 135 milhões desde a adoção do tabelamento.

Dos navios parados, 35 estão carregados com fertilizante. Com a alta do frete, o transporte desse produto está praticamente parado, informa a CNA. Segundo a entidade, os produtores, cooperativas e revendedores já contrataram 85% do produto que necessitam. No entanto, "não há possibilidade de entrega".

O problema atinge também o calcário agrícola. Perto de 75% do preço do produto corresponde ao frete. Como o custo do transporte subiu 30%, a comercialização caiu para metade dos níveis normais para o período.

Os produtores de carne relataram elevação de 63% no custo do frete para o setor. O transporte de ração, porém, deve aumentar perto de 83%.

Além dos problemas imediatos, há os que ainda vão surgir. O atraso no embarque da safra de milho e soja vai dificultar o recebimento e armazenagem da segunda safra ou safra de inverno, que já está sendo colhida. Serão 10 milhões de toneladas de milho e 3,3 milhões de toneladas de trigo.

A imagem do Brasil como exportador de alimentos também sofre com esses atrasos. Mercados mais exigentes quanto à pontualidade e qualidade dos produtos poderão ressentir-se, alerta a CNA. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.