Tecnologia Startup pernambucana pode se tornar quarta brasileira a ter avaliação de negócio de US$ 1 bilhão In Loco Media, é aposta do mercado para se tornar unicórnio, grupo de startups com operação avaliada em US$ 1 bilhão

Por: Thatiana Pimentel

Publicado em: 09/06/2018 14:00 Atualizado em: 08/06/2018 16:05

Empresário afirma que agora está focado no mercado norte-americano por ter grande potencial para explorar. Foto: In Loco Media/Divulgacao (Foto: In Loco Media/Divulgacao)
Empresário afirma que agora está focado no mercado norte-americano por ter grande potencial para explorar. Foto: In Loco Media/Divulgacao
Você sabia que quando uma startup consegue ter sua operação avaliada em US$ 1 bilhão pelo mercado ela entra na categoria de unicórnio? Similarmente ao cavalo branco da mitologia que tem um chifre na testa, essas empresas são consideradas lendas em todo o mundo. Apenas neste ano o Brasil entrou no rol dos países com startups unicórnios, mesmo com todo o destaque que a nação tem no setor de tecnologia. Trouxeram o título a 99 (transporte), Pagseguro (pagamentos) e Nubank (banco digital). Todas do Sudeste. Agora, Pernambuco se prepara para ser o primeiro estado do Nordeste a ter sua unicórnio. E, aqui, o título deve ser conquistado pela In Loco Media, empresa que oferece publicidade geolocalizada e análise de comportamento de consumo.

O criador da tecnologia é André Ferraz, pernambucano de 26 anos que chegou a trabalhar dois anos sem salário no próprio negócio. Além dele, os sócios Alan Gomes, Eduardo Martins, Lucas Queiroz, Denyson Messias, Airton Sampaio e Gabriel Falconi.Hoje, além da eminência de se transformar no quarto unicórnio brasileiro, primeiro pernambucano, a In Loco Media já tem mais de 50 milhões de usuários e mais de 500 aplicativos diferentes exibindo seus anúncios em todo o Brasil. Basicamente, o ponto focal da In Loco Media é oferecer publicidade direcionada pela geolocalização em aparelhos móveis como smartphones. O que ocorre na prática é que você abre seu celular no shopping, por exemplo, e recebe uma propaganda de uma loja do centro comercial com as promoções do dia.

Isso só é possível através de uma tecnologia chamada computação ubíqua, conceito que abrange a integração da mobilidade com a presença de inteligência em todos os lugares. Isso amplia a taxa de retorno da propaganda. A da In Loco Media é de incríveis 72%. Ou seja, sete de cada dez pessoas que veem as propagandas da empresa vão até as lojas físicas das marcas divulgadas. “Começamos com a publicidade geolocalizada e agora estamos focando no CPV, que é um modelo de comercialização de campanhas publicitárias, vendido para empresas, que fornece ao anunciante o número de visitas físicas detectadas por meio da tecnologia exclusiva de geolocalização criada pela própria In Loco, que se baseia em sinais de wi-fi e sensores dos smartphones”, explica.

A sede da In Loco Media, hoje, está no Bairro do Recife e, no portfólio, clientes de peso como Carrefour e Subway. Com escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro e representações em Portugal e México, a empresa acaba de aterrissar em solo norte-americano e esse é um dos focos de 2018. “Queremos conquistar espaço por lá. Já estamos com vários contratos, mas é um mercado grande e temos muito a explorar”, ressalta.

Novidades
Os projetos focos da empresa em 2018 são o Mobile Extension e o In Loco Engage. O primeiro é uma solução revolucionária que conecta os smartphones com a mídia tradicional. “ Através da nossa tecnologia de localização, que funciona como um super GPS, conseguimos mapear se o consumidor exposto a um outdoor, por exemplo, vai efetivamente até a loja física da marca anunciante”, explica. Assim, é possível estender o poder da mídia tradicional para o mobile e usar as métricas do digital para validar os resultados do offline. “Já estamos com uma campanha dessas nas ruas do Rio de Janeiro ligadas aos anúncios dos 100 relógios de rua da Clear Channel de toda a cidade. O nosso anunciante lá foi o Globo Play. Os consumidores foram expostos aos anúncios que promoviam a série “Filhos da Pátria” em qualquer um desses relógios. Assim, foi possível estender o poder da mídia tradicional para o mobile e usar as métricas do digital para validar os resultados do offline”.

Já o In Loco Engage usa a tecnologia e inteligência de geolocalização In Loco para conhecer o comportamento do usuário dos aplicativos no mundo físico, permitindo impactá-lo com campanhas e mensagens em determinado momento. Um exemplo do uso é um app de táxi que consegue identificar seus usuários no momento em que estão em um aeroporto e enviar notificações push neste exato momento oferecendo seus serviços. “Também podemos focar ações por bairros”, esclarece Ferraz. Ele, inclusive, está em busca de talentos para investir ainda mais nos novos produtos. “Estamos contratando analista de cultura e pessoas, full-stack engineer, lead back-and enginer, Lead SRE Engineer, Lead Software Engineer, Lider Técnico de Business Intelligence e Solution Enginner”, adianta. Há vagas disponíveis para as cidades do Recife e São Paulo. Os interessados devem acessar: https://www.inlocomedia.com/vagas/. André Ferraz também se dedica, quando pode, a repassar conhecimento. O CEO da In Loco Media concedeu entrevista ao Diario durante um Mentoring organizado pela Lide Futuro Pernambuco na sede da empresa.

Persistência que gerou bons frutos

A máxima “Quem quer, corre atrás” sempre permeou a história de André Ferraz, criador da In Loco Media. Discutindo um trabalho da faculdade, o então adolescente teve a ideia inicial de criar uma solução voltada apenas para shoppings centers, na qual um aplicativo oferecia um mapa e promoções das lojas. Mas o projeto precisou ser modificado. “Percebi que a gente precisava de uma tecnologia que capturasse de forma precisa a localização de um smartphone em locais fechados. Mas ela ainda não existia. Foi nesse momento que descobri uma oportunidade ainda melhor, focando no desenvolvimento dessa tecnologia”.

Com a ideia formada e a certeza de que o negócio daria certo, ele largou a faculdade e passou dois anos trabalhando sem receber salário no desenvolvimento da ideia com o intuito de tornar o negócio vendável. O primeiro investidor veio em 2011. “O comércio eletrônico tinha uma vantagem competitiva em relação ao varejo físico porque eles podiam analisar o comportamento do consumidor no mundo digital. Foi então que surgiu a In Loco Media. Além da tecnologia para a publicidade, começamos com uma base de dados gigantes sobre o comportamento do consumidor no mundo offline”, relata.

Com o projeto mais estruturado, André caiu em campo para buscar novos clientes. Ainda sem equipe formada, ele ia sozinho às reuniões. Em São Paulo, chegava a uma média de oito por dia. Em seis meses, ele diz que “perdeu” cinco pares de sapato correndo pelas ruas e terminais de metrô e ônibus da capital paulista. Não foi fácil e, mesmo com o projeto estruturado, o jovem enfrenteou fases difíceis e quase desistiu quando os investidores entraram em crise “Isso serviu de aprendizado. Bati de frente com gente grande, retomei o controle da marca e ainda aprendi a negociar”.

O esforço deu certo e agora ele colhe os frutos da história. Como inspiração, além do pai, que lhe ensinou o que era computação ubíqua, André Ferraz faz questão de citar a mãe, que já enfrentou a realidade da seca do Sertão e foi feirante.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.