Diario nos Municípios Olinda não é mais uma cidade-dormitório Município deixou o rótulo para trás e passou a atrair grandes investimentos e abrir oportunidades para os antigos e novos empreendedores

Por: André Clemente - Diario de Pernambuco

Publicado em: 08/06/2018 07:24 Atualizado em:

O mantra de que Olinda é cidade-dormitório está definitivamente quebrado. O título de único lugar do mundo a ter uma loja do McDonald’s fechada também é algo superado. A cidade vizinha do Recife - e talvez por isso não tivesse autonomia nos negócios - deixou de ser um risco para investidores e passa a ser uma boa aposta. O sinal claro de que Olinda caminha para se resolver foi dado com a inauguração do Patteo Shopping, um empreendimento de porte regional, reunindo investimento de R$ 500 milhões. Agora, traz a reboque a oferta de produtos e serviços para preencher lacunas sustentadas por outra frase sempre ouvida por lá: “Olinda tava precisando”. 

À frente do empreendimento inaugurado no fim de abril, o sócio-empreendedor Celso Muniz Filho reitera: “Havia um mercado para ser ocupado. As pesquisas que realizamos para medir o porte do shopping atestaram e foram corroboradas por levantamentos de grandes magazines que já anunciaram ou pretendem chegar a Olinda”, adianta. “Não se consumia em Olinda porque não se tinha onde. Uma cidade de 400 mil habitantes, com forte população nas classes A, B e C, sem um equipamento para chamar de seu”, complementou.

Segundo Muniz Filho, outro ponto diz respeito ao cenário futuro. Por não ter uma gama de produtos e serviços que evitasse a evasão do consumo no município, a tendência agora é puxar um movimento que deve alavancar o desenvolvimento da cidade. “Olinda é importante para a Região Metropolitana, mas operava na baixa produção. Tanto que o nosso empreendimento traz tudo que uma cidade precisa para ter autonomia na oferta de produtos e serviços.

Temos grandes âncoras da moda, cinema, serviços de saúde, estamos implantando um ponto do Expresso Cidadão, uma praça com vista fantástica para o mar, inclusive com bares e restaurantes que vão operar com horário estendido ao do shopping, marcas exclusivas, faculdade. Tudo em um espaço confortável, pronto para que as pessoas fiquem e consumam em Olinda”, pontua. “O que vai acontecer é que, agora, o movimento vai ser o de que as pessoas trabalhem onde moram, puxando a demanda por empresariais. A cidade tem renda e tem gente, ou seja, tudo para se consolidar”, aponta o empresário.

LOJA VAZIA
Uma loja diferente passou a operar no Patteo Shopping. Em vez de sair do espaço com sacolas cheias, é o consumidor quem vai poder deixar os produtos que vão vestir os manequins e preencher as prateleiras da chamada Loja Vazia. Todos os dias, a loja recebe arrecadações e as peças doadas são encaminhadas para instituições que ajudam pessoas em situação de vulnerabilidade social. 

No local, podem ser doadas peças de roupas, sapatos e acessórios de todos os tamanhos, novos e usados. As duas primeiras instituições que receberão as doações serão a Casa de Passagem e a Casa de Acolhimento, ambas localizadas em Bairro Novo, Olinda.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.