Especial Olinda estreia o DP nos Municípios Novo produto do Diario de Pernambuco repete, em cidades do estado, a proposta de jornalismo hiperlocal do Diario nos Bairros , com conteúdo exclusivo

Por: Aline Moura - Diario de Pernambuco

Publicado em: 08/06/2018 07:22 Atualizado em: 08/06/2018 11:41

Cidade de Olinda ganhou um shopping recentemente e vários imóveis na orla. Foto: Peu Ricardo/DP
Cidade de Olinda ganhou um shopping recentemente e vários imóveis na orla. Foto: Peu Ricardo/DP

Olinda, o município que respira carnaval e cultura o ano inteiro, também vibra outras cores, numa composição de tradições e mudanças - uma mistura do antigo com o oxigênio do novo. Suas ruas, seus personagens e histórias vão estampar as páginas do Diario de Pernambuco hoje, na primeira edição do Diario nos Municípios. O produto tem a mesma proposta do Diario nos Bairros: visa trazer um jornalismo hiperlocal, aproximar as pessoas e resgatar o sentimento de pertencimento. A edição é para quem gosta de ler jornal, no papel. Numa era globalizada, o periódico aposta na força da comunidade e, ao mesmo tempo, do seu lado mais humano, presente. 

Somente em Olinda, haverá uma circulação de 15 mil exemplares, o maior volume de um jornal impresso que já circulou no município, segundo o vice-presidente comercial e de marketing do Diario, Pierre Lucena. A edição desse dia também será vendida nas bancas, em outros municípios da Região Metropolitana do Recife, e chegará à residência dos assinantes com a mesma conveniência. 

“A comunidade recebe o jornal em mãos, das mãos do gazeteiro. Estamos fazendo um jornal para quem gosta do jornal. Temos a nossa internet, que é muito boa, e a edição no papel oferece um produto diferenciado. É um produto para que a gente conte histórias novas. Essa é a oportunidade que os assinantes e as pessoas que consomem o jornal fora do município também vão ter de conhecer a cidade e seus personagens”, afirma Pierre. 

E a inspiração? Como deixá-la de lado quando se fala de Olinda? Segundo Pierre, nada é mais impactante do que uma comunidade se enxergar no seu jornal, ainda mais com a expertise de ser o mais antigo em circulação na América Latina. O produto termina sendo diferenciado até mesmo para os assinantes da localidade, que recebem descontos especiais. “Temos um jornal diferente para disputar com a internet e vai ser mais lido do que podemos imaginar. Por isso, o jornal está fazendo tanto sucesso, porque as pessoas se identificam. Olinda, por exemplo, é um município com muita identidade”, avalia Pierre.

Na editoria de Economia, por exemplo, o repórter André Clemente traz uma matéria sobre como o mercado passou a olhar Olinda, que deixou de ser vista como uma cidade-dormitório para ser um local de se fazer negócios, onde os empresários entenderam a importância de investimentos para o público local. Um exemplo foi a inauguração do Shopping Patteo Olinda.

A reportagem de Rosália de Vasconcelos, em Local, destaca o outro lado, mostra os moradores como “guardiões” da cidade, do seu patrimônio cultural e histórico. Revela, também, como é difícil para eles viverem em casas tombadas, num dia a dia que, por outro lado, dá ao olindense a crença de pertencer a uma comunidade, identificar-se com ela e se sentir como parte de algo maior. O poeta Carlos Pena Filho, que foi escritor e também jornalista do Diario de Pernambuco, chegou a escrever, nos versos de Olinda, um sentimento comum aos moradores do município. “Ninguém diz: é lá que eu moro. Diz somente, é lá que eu vejo”. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.