• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
dp empresas Depois do camarão, empreendedor aposta em pizza californiana Conhecido por comandar redes de restaurantes de camarão, Sylvio Mattos resolveu abrir o leque dos negócios e terá parceria do filho no empreendimento

Por: Kauê Diniz

Publicado em: 05/05/2018 12:53 Atualizado em:

O empresário Sylvio Drummond, dono do Camarada Camarão, e seu filho Raphael Mattos, nas dependências de seu escritório, localizado em Boa Viagem. Credito: Marlon Diego/Esp.DP
O empresário Sylvio Drummond, dono do Camarada Camarão, e seu filho Raphael Mattos, nas dependências de seu escritório, localizado em Boa Viagem. Credito: Marlon Diego/Esp.DP

Um é pouco, dois é bom e três e quatro nunca são demais. Empreendedor há quase duas décadas e já com marcas consolidadas no mercado, o Camarão & Cia e o Camarão Camarada, que compõem o Grupo Drumattos, Sylvio Drummond de Mattos está trazendo para o mercado brasileiro a pizzaria californiana Pizza Studio. Como franqueador master no Brasil, vai inaugurar a primeira unidade no Aeroporto dos Guararapes, em junho, e a seguinte em uma das praças de alimentação do Shopping Recife. Paralelamente, um outro empreendimento está sendo gestado: o Recife’s Seafood Grill, um buffet de frutos do mar - também será aberto no aeroporto -, formatado nos Estados Unidos e adaptado para o Brasil.

A chegada da Pizza Studio ao Brasil traz na bagagem planos audaciosos de se espalhar pelo mercado nacional rapidamente. Cinco unidades já estão garantidas em 2018. Além do aeroporto e Shopping Recife, mais duas na Região Metropolitana e uma  em Goiânia (GO). Mas a janela de expansão, em 2019, já visualiza novas 25 lojas, com abertura de empreendimento sobretudo no Rio e São Paulo. Sylvio acredita que o estilo do negócio vai cair no gosto dos brasileiros.
“É uma proposta diferente do que nós temos no Brasil. São cinco tipos de massa, algumas delas apimentadas, e você cria a própria pizza, escolhendo os recheios. Come-se com a mão, porque é massa fina”, destaca o empresário. 

A aposta no segmento de pizzas ocorreu a partir de uma oportunidade inesperada. Há cerca de dois anos, Sylvio estava conversando com consultores norte-americanos para tentar formatar seus negócios para expandi-los no mercado dos EUA. Mas aí o dólar “pipocou” e o empresário teve que adiar o planos. Dessas conversas conheceu os proprietários da rede Pizza Studio, que já estavam com projetos no exterior. Abriram lojas no Canadá e Filipinas. 

SE REINVENTAR
Não foi a primeira vez que as oportunidades de negócios surgiram na vida de Sylvio a partir de uma mudança brusca no mercado de câmbio. O início da sua trajetória está atrelada justamente a uma supervalorização da moeda norte-americana. Em 1999, quando o empresário tinha 28 anos ainda trabalhava com o pai, Sylvio Mattos, na fazenda de produção de camarões, em Parnaíba, no Piauí, o dólar subiu de patamar e o negócio da família passou a focar na exportação. O problema é que Sylvio era responsável pelo mercado interno. “A verdade é que a mudança me deixou completamente sem rumo. Na prática, fiquei desempregado na empresa da minha própria família. A alta do dólar levou todos os esforços para a exportação de camarão. Aqui dentro eu precisava inovar”, conta o engenheiro de pesca de formação.

Foi aí que, pela primeira vez, Sylvio precisou enxergar as oportunidades mesmo quando as portas pareciam estar se fechando para um futuro. Surgia ali a ideia de criar o Camarão & Cia, com conceito de oferecer ao consumidor final o produto, que dificilmente está no carrinho de compras do supermercado dos brasileiros, já em um formato de refeição e a um preço mais acessível. Com três anos, o negócio se tornou franquia, chegando a vários estados do país. Dezenove anos depois do susto, Sylvio mostra que sua capacidade de se reinventar deu certo. Hoje, são 57 unidades, entre próprias e franqueadas, 1.450 empregos diretos e um faturamento de R$ 145 milhões em 2017. 

Trajetória coroada com a conquista, no último dia 20 de abril, do seu 15° Selo de Excelência em Franchising, um dos prêmios mais importantes e reconhecidos do setor de franquias, concedido pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). Ganhou também da instituição o troféu especial, que estreou neste ano, para homenagear as marcas com 15 chancelas no currículo.  

Com o reforço do filho empreendedor nos negócios

O empreendedorismo está no DNA da família Mattos. Depois de Sylvio dar os primeiros passos na fazenda de camarão do pai, chegou o momento dele abrir as portas dos negócios para o filho Raphael. Aos 28 anos, ele foi convocado para reforçar a operação da Pizza Studio, já que carrega no currículo experiências em voos solos - em outros dois negócios com sócios que não são da família.

Quando voltou dos EUA, em maio de 2012, após se formar em administração com ênfase em empreendedorismo na Universidade de Lindenwood, Raphael aproveitou o projeto de TCC de conclusão de curso para abrir, com um colega de faculdade, uma assistência técnica de Iphone, em Porto Alegre: a iHelpU. A parceria, no entanto, durou seis meses e ele vendeu sua parte. Porém, um desafio que lhe foi colocado profissionalmente por pouco não fez Raphael escolher um caminho diferente do pai. “Me sentia um pouco verde e decidi entrar, em novembro de 2012, no programa da Ernst & Young (uma das maiores empresas do mundo de auditoria). Auditei grandes empresas do Nordeste e estava seguindo carreira na empresa. Depois de três anos, tinha possibilidade de virar sócio e aí tive que me decidir. Tinha adquirido a bagagem necessária e já tinha dito que meu sonho era empreender”.

Nessa época, paralelamente ao trabalho na iniciativa privada, Raphael já tinha adquirido uma franquia de publicidade em saco de pão. Mas não achou a operação tão profissional e resolveu abrir sua própria marca no mesmo segmento. Criou, então, em 2016, a Premia Pão. “Somos a microfranquia que mais cresce no país. Temos 300 franqueados em todos os estados do país, com exceção do Acre. Em 2017, a rede toda faturou R$ 6 milhões. Neste ano, queremos crescer nas cidades do interior. Em 2019, estamos estudando entrar no mercado de Portugal, Itália, Uruguai e Argentina”, conta Raphael, explicando um pouco do negócio. Ele fornece todo o material da embalagem - produzido em uma fábrica em São Paulo - para os franqueados, que ficam com a missão de captar os anunciantes e formalizar as parcerias com as padarias.

Camarada prepara sua chegada a São Paulo

Enquanto está nos ajustes finais para colocar no mercado mais dois novos empreendimentos do Grupo Drumattos, Sylvio colhe o sucesso do alto investimento que fez com a abertura da unidade do Camarada Camarão do Shopping RioMar, em novembro de 2017. Gastou R$ 4,3 milhões na casa, a maior em operação no mall no segmento de alimentação. São 130 funcionários que trabalham em mil metros quadrados e espaço para mais de 400 lugares, que, segundo o empresário, estão disputados não somente nos fins de semana.  

“Quando estava construindo, tinha gente que olhava e não acreditava no tamanho do investimento que eu estava fazendo em um momento de crise. Mas eu tinha certeza do resultado do negócio e estou muito feliz, querendo já montar outros”, afirma Sylvio. 
A sexta unidade do Camarada Camarão - são três em Pernambuco e duas no Rio de Janeiro - já está em fase de negociação. Será a estreia da marca em São Paulo. O local, Sylvio prefere não adiantar, só diz que seguirá o mesmo modelo de shopping center. E a receita para conquistar o público paulista: qualidade do produto e preço competitivo - vai manter o mesmo tíquete do cardápio pernambucano. “Pesquisei e não tem nada igual em São Paulo ao nosso negócio”, garante. 

Concorrência, aliás, parece não ter sido problema. Mesmo com a chegada de uma rede de frutos do mar no Shopping Recife, os números do faturamento na unidade do mall do Camarada não sofreram impacto. “Crescemos 40% em 2017”, conta Sylvio, que deu início à marca em 2005 e ainda prevê, 2018, abrir novas casas em Brasília e Aracaju.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.