• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
dp empresas Mercado estético cresce em resposta à vaidade masculina Eles movimentaram cerca de R$ 20 milhões na economia brasileira e negócios voltados para este público específico já se expandem em Pernambuco

Por: Luciana Morosini

Publicado em: 05/05/2018 10:21 Atualizado em: 05/05/2018 10:42

Marcelo Wanderley espera abrir mais duas unidades da Trois Barbearia neste ano. Foto: Thalyta Tavares/Esp.DP
Marcelo Wanderley espera abrir mais duas unidades da Trois Barbearia neste ano. Foto: Thalyta Tavares/Esp.DP
O segmento de saúde, beleza e bem-estar foi o que mais cresceu em faturamento em 2017 em relação a 2016, com alta de 12,1%, segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF). Se as mulheres sempre investiram na questão da estética, os homens começaram a quebrar estereótipos em relação à vaidade e também passaram a dividir uma fatia do mercado de beleza. Eles movimentaram cerca de R$ 20 milhões na economia brasileira, de acordo com Euromonitor International, empresa de pesquisa que monitora o setor de beleza em 80 países. Já um estudo realizado pelo Instituto Qualibest para a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), aponta que 43% dos homens se consideram supervaidosos e 54% frequentam regularmente salões e barbearias. Levando em consideração o fortalecimento do setor, Pernambuco já expande os negócios focando nesse público específico. 

A Trois Barbearia é um exemplo de que o mercado está propício ao segmento. Ela nasceu literalmente no quintal do salão de beleza Trois Beauté, em Boa Viagem, porém os 30 metros quadrados ficaram pequenos para o crescimento dos clientes - o salão, em contrapartida, tinha 200 metros quadrados. Foi quando os espaços se separaram e a barbearia virou negócio próprio, na Avenida Conselheiro Aguiar, com 250 metros quadrados. No ano passado, a Trois Barbearia ganhou uma nova unidade no RioMar Shopping e os planos de expansão para este ano são ousados, prova de que o mercado está aquecido. Em seus três anos, a empresa tem registrado crescimento anual de 15%. “É um setor que vem evoluindo bastante e é um movimento irreversível. Temos expectativa de abrir mais duas unidades neste ano, uma está em negociação no Shopping Recife e outra na Zona Norte. Com as atuais unidades atendemos 3.300 clientes por mês e a estimativa é passar para 6.000 com as quatro lojas”, conta o sócio Marcelo Wanderley, que acrescenta que as unidades empregam 40 funcionários, sendo 16 barbeiros. 

A Confraria da Barba, rede de franquias de Campinas, também aproveita o bom momento do setor para ganhar espaço no estado, com duas unidades, uma em Boa Viagem e outra nas Graças. “A quantidade de barbearias no Recife é grande e o mercado local é bem interessante porque parece que os homens gostam mais de se cuidar”, ressalta Marcos Canuto, sócio da loja da Zona Sul. Ele sente o crescimento na necessidade de expandir a equipe, que começou com três barbeiros e hoje conta com seis. “Até o meio do ano vamos conseguir o sétimo e esperamos fechar o ano com oito”, explica. Para ele, um dos diferenciais é o homem poder fazer todos os serviços de beleza em um só lugar, inclusive contando não só com serviços de estética, mas também os de diversão e o dia do noivo. 

Não só o ramo de serviços está de olho neste público, como também o de cosméticos. A Pharmapele, rede pernambucana de farmácias de manipulação, oferece produtos voltados para este nicho. “Os homens estão cada vez mais vaidosos. Hoje 20% do público nas lojas é masculino, número que dobra no site da marca”, pontua Mariana Saldanha, gerente de Marketing da Pharmapele sediada no Recife. A marca conta com uma linha antiqueda de cabelos, um balm pós-barba e um redutor de brilho e poros. Além disso há um termogênico e colágeno, que são produtos unissex, mas que ganham embalagens diferenciadas para cada público. “Eles buscam produtos que tenham cara de homem, mesmo que tenhamos que fazer duas versões. É bacana fazer com que eles se enxerguem e queiram aquele produto”, conclui.
 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.