• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Banco Central Saques superam depósitos e poupança perde R$ 5,2 bilhões A poupança voltou a ficar no vermelho após registrar saldo positivo em novembro e dezembro. No ano passado, os depósitos superaram os saques em R$ 17,1 bilhões

Por: Antonio Temóteo

Publicado em: 07/02/2018 08:06 Atualizado em:


A poupança voltou a ficar no vermelho após registrar saldo positivo em novembro e dezembro. Foto: Marcos Santos/USP Imagens (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)
A poupança voltou a ficar no vermelho após registrar saldo positivo em novembro e dezembro. Foto: Marcos Santos/USP Imagens


Os saques da poupança superaram os depósitos em R$ 5,2 bilhões em janeiro, conforme dados divulgados ontem pelo Banco Central (BC). O buraco nas cadernetas, entretanto, é o menor para o mês desde 2015. Naquele ano, o rombo totalizou R$ 5,5 bilhões.

Tradicionalmente, no mês de janeiro a poupança fica no vermelho, porque os trabalhadores recorrem às economias para manter as contas em dia. Muitos precisam quitar impostos, pagar a matrícula da escola dos filhos e comprar o material escolar para as crianças.

A poupança voltou a ficar no vermelho após registrar saldo positivo em novembro e dezembro. No ano passado, os depósitos superaram os saques em R$ 17,1 bilhões. O resultado positivo foi impulsionado pelos saques de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Além disso, o governo decidiu antecipar o pagamento do PIS/Pasep. Desde 14 de dezembro, o saques foram liberados para mulheres a partir de 62 anos e homens de 65 anos, ou mais. Antes, os saques poderiam ser feitos apenas pelos que já tivessem 70 anos.

Mesmo com a queda de juros, a poupança tinha voltado a atrair recursos nos últimos meses do ano passado. Isso porque o investimento voltou a garantir rendimentos acima da inflação. Nos 12 meses terminados em janeiro, a poupança rendeu 5,9%. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo — 15 (IPCA-15), que funciona como uma prévia da inflação oficial, acumulou alta de 3,02% no mesmo período.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.