• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Preços Petrobras vai mudar política de preços do botijão de gás A metodologia adotada até então faz a correção mensal do valor de acordo com a cotação internacional do petróleo

Por: Hamilton Ferrari - Correio Braziliense

Publicado em: 07/12/2017 15:32 Atualizado em:

O último aumento ocorreu nesta terça (5) de 8,9%. A correção foi a última realizada com base na regra vigente. Foto: Pedro Ventura/ Agência Brasília
O último aumento ocorreu nesta terça (5) de 8,9%. A correção foi a última realizada com base na regra vigente. Foto: Pedro Ventura/ Agência Brasília

A Petrobras anunciou na manhã desta quinta (7) que vai mudar a política de preços do botijão de gás de cozinha (GLP). A estatal reavaliou a metodologia que vem sendo aplicada desde junho deste ano, porque há uma “alta volatilidade nos preços”. De lá para cá, o reajuste no preço chega a 59%. A metodologia adotada até então faz a correção mensal do valor de acordo com a cotação internacional do petróleo. O último aumento ocorreu nesta terça (5) de 8,9%. 

Segundo a Petrobras, a forte alta nos preços decorre do inverno na Europa, elevando os índices no mercado internacional. "Desta forma, a correção aplicada esta semana foi a última realizada com base na regra vigente", comunicou em nota.

A nova metodologia ainda não foi completamente definida, mas a Petrobras informou que continuará tendo os preços do GLP no mercado internacional como referência. "Esta revisão se aplicará exclusivamente ao GLP de uso residencial, comercializado em botijões de 13kg, e não terá reflexo sobre os demais derivados comercializados pela Petrobras”, publicou. De acordo com a estatal, ela responde por 25% do valor final do preço do botijão de gás para residência. Outros 20% são tributos e o restante é composto por distribuição e revenda.

De janeiro de 2003 a agosto de 2015, a companhia não realizou reajustes no valor repassado às distribuidoras. Mas, mesmo assim, houve uma alta de 56% no período. De agosto de 2015 a dezembro de 2016, a estatal aplicou um aumento de 15%. "Ou seja, em cerca de 12 anos, a companhia realizou um ajuste de 15% no preço do GLP residencial nas vendas às distribuidoras".


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.