• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Combustível Para economizar, brasileiros vão ao Paraguai encher o tanque de gasolina Alta no preço da gasolina nos últimos meses movimenta a fronteira do Brasil com o Paraguai, onde litro custa R$ 2,62

Por: Estado de Minas

Publicado em: 13/11/2017 13:54 Atualizado em:

A Petrobras autorizou na semana passada alta de 2,3% para a gasolina e de 1,9% para o diesel nas refinarias brasileiras.
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
A Petrobras autorizou na semana passada alta de 2,3% para a gasolina e de 1,9% para o diesel nas refinarias brasileiras. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
O reajuste de 2,3% no preço da gasolina anunciado na semana passada pela Petrobras nas refinarias reforçou a corrida de consumidores brasileiros aos postos de combustíveis do vizinho Paraguai. Os motoristas de Foz do Iguaçu que cruzam a fronteira para abastecer o carro em Ciudad del Este enchem um tanque de 43 litros por R$ 113,50. No lado brasileiro, o mesmo combustível sairia por uma média de R$ 173 – diferença de quase R$ 60.

Na cidade paraguaia, a gasolina comum varia de R$ 2,62 a R$ 2,80, enquanto em Foz do Iguaçu o litro custa cerca de R$ 4,09 ou mais. Mesmo na versão aditivada, a gasolina vendida no Paraguai também sai mais em conta. Em Ciudad del Este o litro custa a partir de R$ 3,24, enquanto em Foz os preços partem de R$ 4,14.

A diferença de preço encheu os postos paraguaios de carros com placas do Brasil. A corrida tem hora marcada. A maioria cruza a Ponte da Amizade, ligação entre Foz do Iguaçu e Ciudad del Este, a partir das 19h em dias úteis ou aos domingos, quando o trânsito na via é mais tranquilo. Oscar Zaracho, frentista de um posto da bandeira Esso, diz que atualmente 90% dos clientes são brasileiros. A procura é intensa à noite e aumentou principalmente a partir de agosto. “O movimento é das 19h até meia-noite”, afirma.

Pesquisa divulgada na sexta-feira pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) revelou que o preço médio da gasolina no Brasil subiu 1,4% na semana passada, ante a semana anterior, atingindo uma nova máxima nominal no Brasil. O preço da gasolina atingiu uma média de R$ 3,938 por litro, ante de R$ 3,882 no período anterior. O avanço ocorreu depois de a Petrobras elevar o valor dos combustíveis alguns dias na semana, apontando como um dos motivos o aumento das cotações dos produtos e do petróleo no mercado internacional.

O combustível tem renovado máximas nominais (sem considerar a inflação) nas bombas em uma série histórica da ANP iniciada em 2013, em um ano em que o valor aos consumidores sofreu os efeitos de um aumento de tributos (PIS/Cofins). Segundo a ANP, o valor do diesel nos postos brasileiros registrou alta de 0,3%, para R$ 3,243 por litro. No caso do etanol hidratado, houve avanço de 2%, para R$ 2,745 por litro. Desde o fim do ano passado, a Petrobras avalia diariamente os valores cobrados pelo combustível. A decisão de repassar ou não as variações de preço para o consumidor final cabe aos postos de combustível.
 
Oportunidade

Não é apenas a população de Foz do Iguaçu que procura os postos paraguaios. Turistas que visitam a fronteira ou que moram na região também aproveitam a diferença de preço para economizar. Morador de Santa Terezinha de Itaipu, município situado a 26 quilômetros de Foz do Iguaçu, Eduardo Bebiano sempre abastece no Paraguai. Ele diz que em Santa Terezinha a gasolina mais barata custa em torno de R$ 4,10. Como costuma fazer compras nos supermercados de Foz, ele aproveita a viagem para encher o tanque em Ciudad del Este. Ele confirma a informação de que a economia média é de R$ 60, todas as vezes que abastece seu veículo.

Administrador de empresas e morador de Foz do Iguaçu, Flávio Camargo abastece o carro no Paraguai há dois anos. O tipo de combustível vendido no país vizinho nunca causou problema no veículo dele. Com o tempo, e os reajustes no Brasil, a economia só aumenta. “O preço do combustível no Brasil é desproporcional com a realidade do brasileiro onde o imposto é no consumo e não na renda.”

O presidente do Centro Empresarial Brasil-Paraguai (Braspar), Wagner Enis, explica que, quando o preço do petróleo caiu no mercado internacional, o governo paraguaio obrigou as empresas a reduzirem os valores na mesma proporção. O país não cobra o Imposto sobre Valor Agregado (IVA), equivalente ao ICMS no Brasil, sobre o combustível. A gasolina vendida no Paraguai é distribuída pela refinaria Petróleos Paraguayos – Petropar. O combustível é adquirido principalmente no Brasil e na Venezuela.
 
Pressão nas bombas 

A Petrobras autorizou na segunda-feira da semana passada alta de 2,3% para a gasolina e de 1,9% para o diesel nas suas refinarias, devido principalmente ao aumento das cotações dos produtos e do petróleo no mercado internacional. A decisão foi tomada pelo Grupo Executivo de Mercado e Preços (GEMP), que antecipa suas reuniões periódicas quando o reajuste dos combustíveis varia mais de 7% para cima ou para baixo no período aproximado de um mês. Em um mês, o preço da gasolina nas refinarias já acumula aumento de mais de 9%. Em novembro, há elevação de 6,6%, após alta também de 6,6% em outubro. O reajuste se refere aos preços para as refinarias. O repasse ou não do aumento para o consumidor final depende dos postos de combustíveis.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.