• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
REFORMAS Dyogo: reforma mais urgente é a da Previdência, a tributária é o passo seguinte O ministro descartou que haja fechamento de órgãos do governo, como têm alertado economistas

Por: Agência Estado

Publicado em: 11/09/2017 14:17 Atualizado em:


O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou que "não há pernas" nem condições operacionais hoje em Brasília para tocar duas reformas ao mesmo tempo, a tributária e a da Previdência. "A reforma mais urgente é a da Previdência. A tributária é o passo seguinte", disse a jornalistas após fazer palestra em evento na Fundação Getulio Vargas (FGV).

"Reforma da previdência e tributária é a sequência para revigorar o crescimento", disse Dyogo na palestra. 

Após a apresentação na FGV, na parte de perguntas e respostas da plateia, o ministro foi questionado sobre se haverá necessidade de nova alta de imposto. Dyogo ressaltou que o governo está trabalhando para a reforma tributária. "Falar em aumentar imposto na atual conjuntura é inviável", disse ele. 

Receitas e despesas

O ministro do Planejamento afirmou ainda a jornalistas que o governo fará nesta semana uma revisão de receitas e despesas e a expectativa é que seja divulgado ainda este mês o volume de descontigenciamento que pode ocorrer. Ele disse que segue com a expectativa de que para manter o funcionamento dos órgãos público são necessários entre R$ 8 bilhões a R$ 10 bilhões.

Dyogo descartou que haja fechamento de órgãos do governo, como têm alertado economistas. "Acreditamos que manteremos o funcionamento regular dos órgão", disse ele, ressaltando que não há possibilidades de aumento de despesas.

O ministro ressaltou ainda aos jornalistas que o Brasil está em processo de recuperação e mesmo assim está gerando empregos, processo que tende a ocorrer quando a recuperação já está em um estágio mais avançado. "A formalização da economia é permanente" disse ele.

Novamente sobre a reforma da Previdência, Dyogo Oliveira ressaltou aos jornalistas que o calendário de votação será determinado pelo Congresso. "O máximo que podemos fazer é prestar toda informação, todo apoio que os parlamentares necessitam."


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.