• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Projeto Chesf vai investir R$ 3,3 bilhões até 2018 Em Pernambuco serão 51 obras que representam um investimento de R$ 20,9 milhões no sistema

Por: Rochelli Dantas - Diario de Pernambuco

Publicado em: 16/03/2017 07:07 Atualizado em:

Segundo o ministro, dos R$ 2 bilhões já viabilizados, R$ 1,2 bilhão são referentes a indenizações que foram liberadas. Foto: Chesf
Segundo o ministro, dos R$ 2 bilhões já viabilizados, R$ 1,2 bilhão são referentes a indenizações que foram liberadas. Foto: Chesf
A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) terá R$ 3,3 bilhões a serem investidos em obras corporativas e em parceria até 2018. Desse total, R$ 2 bilhões já foram viabilizados e serão destinados para conclusão de 49 obras e 370 eventos de melhorias no sistema de geração e transmissão da companhia. A previsão é de que, com o início desses projetos, sejam gerados um total de 20 mil empregos diretos, distribuídos nos estados onde as ações acontecerão. Em Pernambuco, serão tocados 51 obras, o que representa um investimento de R$ 20,9 milhões em modernização do sistema.

“São projetos que estavam paralisadas por falta de recursos e penalizavam duas vezes a companhia, já que havia multa pelo não cumprimento de prazos, e também por não conseguir ter acesso as remunerações e receitas que elas gerariam. Então, nós pactuamos com a direção da Eletrobras e da Chesf a equação financeira deste valor para conclusão dessas obras. O objetivo é terminar investimentos que ficaram pelo meio do caminho”, afirmou o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho.

Segundo o ministro, dos R$ 2 bilhões já viabilizados, R$ 1,2 bilhão são referentes a indenizações que foram liberadas. “O restante é referente a uma parte de recursos que havia sido bloqueada pela Justiça no chamado fator K e que está sendo repassado desde o início do ano pela Eletrobras”, detalhou.

De acordo com o presidente da Chesf, Sinval Gama, 90 obras estão atrasadas. “Separamos o conjunto daquelas que têm a dependência apenas de dinheiro. As que preciso resolver pendências, como, por exemplo, licenças ou pleitos com empreiteiros, ou questão fundiária, eu continuarei avançando nesses processos para viabilizá-las em 2018”, enfatizou.

Entre os projetos que serão viabilizados na área de geração de energia está o de implantação da usina solar de Bom Nome, no Sertão de Pernambuco. Este será o primeiro projeto de grande porte de energia solar da Chesf, reforçando o investimento em energias renováveis. A previsão é de que o parque tenha capacidade de geração inicial de 30 MegaWatts (MW), devendo atender uma média de 30 mil residências. A capacidade de geração pode ser ampliada a depender da demanda. O investimento deve ficar entre R$ 150 milhões e R$ 200 milhões.

Atualmente, o projeto está em fase de desenvolvimento, ou seja, avançando nos licenciamentos e aguardando a realização do leilão, que está previsto para acontecer em setembro. “Já avançamos na questão fundiária e no acesso ao local. Estamos trabalhando na emissão da licença prévia e na estrutura de financiamento que viabilize o empreendimento após a realização do leilão”, detalhou o diretor de engenharia da Chesf, Antonio Varejão.

Outro projeto de energia solar, também em fase de desenvolvimento, será instalado na Bahia. Nesse caso, a capacidade de geração total é de 90 MW e investimento entre R$ 400 milhões e R$ 600 milhões. A construção dos dois projetos devem ter início até o final do ano, logo após a realização do leilão, que será realizado pelo governo federal.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.