• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Virada de ano amarga Walmart inicia 2016 com o fechamento de 30 lojas no Brasil Segundo a Walmart, o fechamento de unidades ocorrerá em pelo menos sete estados

Publicado em: 30/12/2015 16:52 Atualizado em:

A matriz norte-americana da rede varejista Walmart surpreendeu o mercado brasileiro, hoje, ao anunciar o fechamento de 30 lojas até o fim de janeiro próximo. A quantidade unidades com as atividades encerradas equivale a 5% do total no Brasil. A ordem vinda dos EUA, inclusive, virou caso de polícia. De acordo com uma reportagem publicada na edição de hoje do jornal “O Estado de S. Paulo” (Estadão), em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, as queimas de estoque atraíram um número inesperado de consumidores e a tropa de choque precisou intervir. No estado, a rede anunciou o fechamento de duas unidades do atacarejo Maxxi e uma loja do hipermercado Walmart.

Segundo a Walmart, o fechamento de unidades ocorrerá em pelo menos sete estados. Na reportagem do Estadão, fontes do mercado citaram Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Alagoas e São Paulo, além do Mato Grosso do Sul. A maior parte das lojas que fechará as portas será de bandeiras de pequeno e médio portes, como a rede de proximidade Todo Dia (presente em vários estados) e nos supermercados Nacional (Rio Grande do Sul) e Mercadorama (Paraná). Haverá, ainda, encerramentos da rede de hipermercados Big (no Paraná e em Santa Catarina) e de super e hipermercados BomPreço, tradicional e bastante presente na Região Nordeste. O fim das atividades deve começar por duas lojas em Alagoas e pode atingir também os estados da Bahia, Paraíba, Maranhão e Ceará até o fim de janeiro, num total de até 12 desativações na região.

Pernambuco, por hora, não faz parte dos planos de fechamento de unidades pela Walmart. Procurada pela reportagem do Diario, a assessoria de comunicação soltou um comunicado sobre a questão. No texto, a rede diz que “por conta do atual ambiente econômico no Brasil, a empresa tomou a decisão de fechar algumas unidades com baixo desempenho” e que está oferecendo a possibilidade de transferência para todos os funcionários que têm interesse em continuar trabalhando em outras lojas e, quando não houver interesse, oferecemos apoio para recolocação profissional”.Por fim, diz que “não há qualquer previsão de fechamento no mercado de Pernambuco”. No estado, a rede varejista atua com as bandeiras BomPreço, Hiper BomPreço, Todo Dia, Maxxi e Sam's Club, com unidades espalhadas no Recife, Olinda e algumas cidades do Interior.

A Walmart é a terceira maior rede de varejo de alimentos do Brasil, atrás do Carrefour e do Pão de Açúcar, ambas de capital francês. A rede a americana enfrenta há anos dificuldades para fazer seu conceito “preço baixo todo dia” pegar no mercado brasileiro, segundo fontes do varejo. No último trimestre fiscal, as vendas reais no Brasil caíram 0,4%, na comparação com o mesmo período do ano passado e o resultado desconsidera a forte desvalorização do real ao longo de 2015, que afetou o resultado em dólar da filial brasileira. As bandeiras da rede também têm tido problemas para atrair clientes, uma vez que o fluxo de consumidores nas lojas caiu 3,1% no terceiro trimestre.

De acordo com a reportagem do Estadão, os Estados mais afetados pelos fechamentos de pontos de venda serão Paraná e Rio Grande do Sul. O Walmart não informou os números exatos de lojas encerradas, mas o Estado apurou que oito supermercados da bandeira Nacional serão encerrados em território gaúcho (ou 12% do total de lojas), enquanto pelo menos quatro da marca Mercadorama serão desativados no Paraná (ou 20% das unidades). As duas bandeiras, assim como Big e Maxxi, foram herdadas do grupo português Sonae, em negócio de R$ 1,7 bilhão fechado há dez anos.

Além da crise, que tem afetado todo o varejo brasileiro, com queda acumulada de 1,6% entre janeiro e novembro deste ano, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em relação ao mesmo período de 2014, fontes de mercado citam uma série de erros de execução do Walmart no Brasil. A insistência no “preço baixo todo dia” em um mercado movido por ofertas é só um dos problemas, segundo fontes. Em entrevista ao portal, um especialista afirmou que “tudo começa pelo fato de que jamais conseguiram tornar esse benefício realmente tangível para o consumidor”.

As aquisições da rede americana elevaram o Walmart à condição de líder em alimentos no Sul e no Nordeste, mas o consenso entre fornecedores é que não houve investimento suficiente nas lojas para enfrentar fortes concorrentes locais e nacionais. Isso explicaria a alta concentração de fechamentos de lojas nas redes regionais. Segundo o Estadão, o Walmart não estaria prevendo, ao menos no momento, abandonar suas bandeiras regionais. “Acho que o Walmart nunca digeriu as aquisições que fez”, afirmou outra fonte. “E talvez, com o cenário difícil, a ordem tenha sido fazer isso de uma vez.”

No mesmo comunicado enviado à reportagem do Diario, sobre os investimentos, a Walmart informou que “em 2015, investimos R$ 1,3 bilhão na abertura de novas lojas, reforma de unidades antigas e integração de sistemas no Brasil.” Conforme a apuração do Estadão, a escolha das lojas que vão ser fechadas incluiu um estudo das regiões em que estão localizadas, do potencial de vendas e do custo para manter a unidade aberta. Por isso foram encerradas algumas lojas em shoppings (no Shopping Center Recife, a rede fechou uma unidade do Hiper BomPreço este ano), que têm aluguel mais alto. Em outros casos, apostas em regiões que não cresceram tanto quanto o previsto foram revertidas.

Com os encerramentos previstos, a rede Walmart no Brasil passa a operar com cerca de 510 unidades. O texto do comunicado finalizado com a rede informando que “mantém compromisso com o mercado brasileiro, a fim de servir melhor seus clientes e garantir a sustentabilidade do negócio no longo prazo”. A Walmart chegou ao Brasil em 1995.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.