• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Usina Seca: Sobradinho vai deixar de gerar energia pela primeira vez Por causa da falta d'água, Usina de Sobradinho, na Bahia, vai parar de gerar energia elétrica pela 1ª vez na história

Por: Rosa Falcão

Publicado em: 26/11/2015 07:18 Atualizado em:

Pela primeira vez desde que foi inaugurada, em 1979, a Usina Hidrelétrica de Sobradinho, na Bahia, vai deixar de gerar energia. A parada deve acontecer até o início de dezembro. O reservatório da usina – que tem a capacidade de geração de 1.050 megawatts (MW) – está com o volume útil de apenas 1,65%, o que inviabiliza a geração. Hoje, a hidrelétrica gera apenas 180 MW. Quando trabalha com força total, Sobradinho representa 10% da capacidade instalada de 10 mil MW da Companhia Energética do São Francisco (Chesf). As usinas (Paulo Afonso 1, 2, 3 e 4, Moxotó, Xingó e Itaparica), localizadas na mesma bacia hidrográfica, continuam em operação. A Chesf descarta o risco de racionamento de energia na Região Nordeste.

A capacidade do lago de Sobradinho – um dos maiores reservatórios do país – está mais crítica do que a registrada em 2001, ano do racionamento. O quadro é dramático porque, além da geração de energia, a usina regula a vazão do Rio São Francisco e despacha água para o consumo da população ribeirinha e para os produtores agrícolas. A quantidade de água que chega ao reservatório é de 600 metros cúbicos por segundo, enquanto estão sendo usados 900 metros cúbicos para gerar energia. "Não é uma questão de decisão da Chesf, mas uma consequência da falta de água para gerar energia. Na hora que o volume útil atingir zero, temos que parar de gerar", diz José Ailton de Lima, diretor de Operações da Chesf. 

O volume total do reservatório de Sobradinho é de 34 bilhões de metros cúbicos, sendo 28 bilhões metros cúbicos utilizados para a geração de energia. "Hoje estamos gastando mais água do que está entrando nos reservatórios. Se a vazão não for dosada, podemos levar o reservatório ao esgotamento", completa Lima. Ele descarta o risco de racionamento de energia no Nordeste. Segundo ele, a energia subtraída de Sobradinho será suprida por outras fontes das usinas térmicas e eólicas que já estão em operação e interligadas como Norte e o Sudeste. A companhia pediu autorização ao Ibama para reduzir de 900 para 800 metros cúbicos por segundo a vazão da barragem para garantir a segurança hídrica da população ribeirinha. 

Leilão
Foram leiloadas nesta quarta-feira pela Aneel 29 usinas hidrelétricas em operação no país, cujos contratos de concessão já venceram ou estão próximos de vencer. Mesmo com a baixa disputa, o governo conseguiu arrecadar R$ 17 bilhões, que vão ajudar no ajuste fiscal. As empresas vencedoras terão que pagar 65% do valor da outorga (R$ 11 bilhões) na assinatura do contrato, em 30 de dezembro. O restante (35%) será pago em até 180 dias. As usinas mais cobiçadas do leilão, Jupiá e Ilha Solteira, localizadas no Rio Paraná, foram arrematadas pelo valor de R$ 13,8 bilhões pela China Three Gorges (CTG), dona da maior hidrelétrica do mundo, a de Três Gargantas, na China.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.