• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Emprego Mudando de carreira em busca da realização profissional

Por: Marina Meireles

Publicado em: 19/04/2015 08:00 Atualizado em: 17/04/2015 20:59

Teciene deixou a área administrativa depois de 11 anos para trabalhar com turismo. Foto: Nando Chiappetta/DP/ D. A Press
Teciene deixou a área administrativa depois de 11 anos para trabalhar com turismo. Foto: Nando Chiappetta/DP/ D. A Press
Ingressar na universidade, concluir a graduação e atuar no mesmo segmento até a aposentadoria já não são vistos como passos de um caminho sem desvios para atingir a felicidade profissional. Apesar de entrarem no mercado de trabalho em áreas de seu interesse, profissionais deixam seus cargos para buscar realização pessoal em novas carreiras, mesmo que isso signifique ganhar um salário inferior ao do antigo posto de trabalho.

Segundo o coach Maurício Sampaio, fundador do Instituto MS de Coaching de Carreira, isso acontece devido a fatores como a escolha equivocada da carreira. “Muitas pessoas escolhem uma profissão pelo dinheiro e pela possível estabilidade financeira e, em determinado momento da vida profissional, elas percebem que o trabalho não traz satisfação profissional”, explica. De acordo com o especialista, muita gente que está hoje no mercado de trabalho prioriza as realizações pessoais e não se importam em mudar de carreira. “As pessoas possuem sonhos, querem fazer parte das conquistas, querem se sentir produtivas, realizadas”, afirma Sampaio.

Foi em busca dessa realização que Teciene Marques largou o trabalho para ingressar em um segmento diferente do que costumava atuar. Depois de 11 anos na área administrativa, ela descobriu no turismo receptivo uma oportunidade de se sentir ainda mais feliz no trabalho. “Ainda na área administrativa, fui chamada para organizar uma viagem dos alunos da universidade em que eu trabalhava. Depois, fui convidada por uma empresa de viagens para acompanhar uma excursão pedagógica e fiquei completamente encantada pelo turismo”, conta.

Depois de se encontrar profissionalmente, Teciene procurou cursos para aprofundar os conhecimentos na nova área de trabalho e, para ela, diminuir o salário e começar do zero em outro mercado não foi um empecilho para a mudança de carreira. “No início eu ganhava muito menos, mas, em compensação, a possibilidade de proporcionar felicidade e novas experiências às pessoas foi um ganho muito maior”, comemora.

Arriscar empreender num mercado distante da área de atuação não causou medo a Érica Costa Carvalho, que deixou a advocacia após seis anos para atuar no segmento de papelarias. “O período da mudança é o mais difícil. No início, meus pais tiveram receio porque a estabilidade financeira não era certa, e hoje eu tenho total apoio”, afirma. Apesar de se identificar com o direito, foi na confecção de convites finos que a profissional conseguiu conciliar paixão e carreira. “Larguei a pós-graduação na área jurídica para me especializar na nova área. Posso dizer que me encontrei como pessoa e como profissional nesse ramo”, conta Érica, atualmente dona de uma loja que oferece produtos de papelaria e cursos de encadernação.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.