• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Combustíveis » Guido Mantega sinaliza com novo aumento da gasolina neste ano

Agência O Globo

Publicação: 02/09/2014 15:16 Atualização: 02/09/2014 15:55

Foto: José Cruz/ Agência Brasil/Arquivo
Foto: José Cruz/ Agência Brasil/Arquivo
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou a sinalizar nesta terça-feira (2) que a gasolina terá um novo aumento ainda em 2014. Ao ser perguntado por jornalistas sobre se os combustíveis terão um reajuste, ele afirmou que isso ocorre todos os anos. E ao ouvir que os preços da gasolina já subiram uma vez em 2014, ele disse: "Todo ano pode haver um ou dois aumentos de gasolina. Não tem regra fixa."

O possível reajuste seria o primeiro deste ano. O último ocorreu em novembro do ano passado, quando a Petrobras anunciou um aumento de 4% no preço da gasolina e de 8% no de diesel. Na ocasião, a alta foi avaliada como insuficiente para aliviar a pressão sobre o caixa da estatal, que precisa importar combustível para atender o mercado interno.

O ministro também fez questão de afirmar que a economia não está em recessão, reforçando o comentário feito logo após o IBGE informar que o PIB brasileiro recuou 0,6% no segundo trimestre. Ele também criticou as propostas econômicas da candidata à Presidência Marina Silva (PSB).

Segundo Mantega, alguns indicadores do terceiro trimestre, como a produção industrial, já mostram que o Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos no país) vem reagindo. A atividade econômica teve retração nos dois primeiros trimestres de 2014, o que caracteriza uma recessão técnica.

"A produção industrial veio bem, cresceu 0,7% em julho, mostrando que, no segundo semestre, tivemos um crescimento da atividade econômica. O que mais cresceu foi a produção de bens duráveis (20%) e de capital (16%). Isso é um indicador importante de que, no terceiro trimestre, teremos crescimento positivo", afirmou Mantega.

Na manhã desta terça-feira, no entanto, o IBGE destacou que o crescimento mensal está relacionado ao chamado efeito de base fraca. A alta de 20% nos bens duráveis, por exemplo, ocorreu após quatro quedas consecutivas do indicador.

O ministro também citou um índice do banco HSBC que mede o apetite dos gerentes das empresas para fazer compras. Segundo Mantega, o número está acima de 50 pontos, o significa uma intenção de aumentar as atividades. Ele lembrou ainda que o lucro das 271 maiores empresas com capital aberto no país aumentou 56% no primeiro semestre.

"Ou seja, a economia não está parada, não está em recessão. Houve problemas passageiros no primeiro semestre e, no segundo, vamos em direção a uma gradual melhoria", disse o ministro.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.