• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Negócios » Mercado de commodities se beneficia de agravamento da crise na Ucrânia Preços do petróleo, ouro e prata tiveram alta nesta semana

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 30/08/2014 09:55 Atualização: 30/08/2014 10:01

Demanda por metais seguros aumentou. Foto: Adek Berry/AFP
Demanda por metais seguros aumentou. Foto: Adek Berry/AFP
Os preços do petróleo subiram nesta semana, quando foram intensificadas as tensões geopolíticas no leste da Ucrânia. O preço do ouro também teve alta, com a busca de investidores por ativos seguros.

PETRÓLEO: os preços do petróleo avançaram nesta semana, sustentados pelo agravamento da crise na Ucrânia e pelo crescimento mais forte do que o esperado da economia americana.

Nesta sexta-feira, o barril de "light sweet crude" (WTI) para entrega em outubro subiu 1,41 dólar, a 95,96 dólares no New York Mercantile Exchange (Nymex).

Em Londres, o barril de Brent do Mar do Norte para entrega no mesmo prazo fechou a 103,19 dólares no Intercontinental Exchange (ICE), uma alta de 73 centavos em relação ao fechamento de quinta-feira.

Ouro e prata têm semana de alta

METAIS PRECIOSOS: o preço do ouro voltou a subir nesta semana, cotado a 1.296,65 dólares a onça. A prata também teve movimento de alta, chegando a ser negociada a 19,90 dólares.

"Com a perspectiva de uma escalada do conflito entre Ucrânia e Rússia, a demanda por metais preciosos mais seguros aumentou", avaliaram analistas do Commerzbank.

Nesta sexta-feira no London Bullion Market, o preço do ouro subiu para 1.285,75 dólares por onça. Na semana passada, a cotação foi de 1.277,25 dólares. A prata fechou em queda, a 19,47 dólares a onça, em comparação aos 19,49 dólares na semana anterior.

No London Platinum and Palladium Market, a platina subiu para 1.424 dólares a onça, e o paládio, para 898 dólares.

METAIS INDUSTRIAIS: os preços dos metais industriais caíram nesta semana com as preocupações do mercado em relação à crise da Ucrânia.

No London Metal Exchange, o cobre para entrega em três meses recuou para 6.960 dólares a tonelada, em comparação aos 7.058 dólares na semana anterior.

O alumínio para entrega em três meses subiu de 2.064 dólares para 2.101 dólares a tonelada. O chumbo com entrega para o mesmo prazo caiu para 2.245 dólares a tonelada; o estanho, para 21.877 dólares a tonelada; e o níquel, para 18.565 dólares a tonelada. O zinco também sofreu queda, negociado a 2.349 dólares a tonelada.

CAFÉ: os preços do café atingiram nesta semana o pico de um mês, sustentados pelas menores colheitas no Brasil, principal produtor do mercado.

Nesta sexta-feira, no ICE Futures US, o Arábica para entrega em dezembro avançou para 200,80 centavos de dólar o quilo, em comparação aos 188,55 centavos da semana passada.

No LIFFE, o Robusta para novembro ficou em 2.049 dólares a tonelada.

AÇÚCAR: o mercado de açúcar registrou queda com a declaração da Organização Internacional do Açúcar (ISO, na sigla em inglês), que alertou para um excedente na oferta da commodity.

Nesta sexta-feira, no LIFFE, o preço da tonelada de açúcar refinado para entrega em outubro caiu para 427,50 dólares. Na semana passada, a cotação foi de 432,60 dólares.

No ICE Futures US, o preço do açúcar sem refino para entrega no mesmo prazo também recuou, a 15,64 centavos de dólar o quilo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.