• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

IBGE » Brasil usa mais R$ 5,4 bilhões em financiamento no 2º trimestre

Agência Estado

Publicação: 29/08/2014 16:44 Atualização:

A necessidade de financiamento da economia brasileira atingiu R$ 48,004 bilhões no segundo trimestre de 2014, um acréscimo de R$ 5,7 bilhões em relação a igual período de 2013. Este é o maior valor para o período entre abril e junho desde pelo menos 2000, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"Isso é muito explicado pelo aumento do déficit de bens e serviços. Além disso, mandamos mais lucros e dividendos para fora", explicou Rebeca de La Rocque Palis, gerente de Contas Nacionais do IBGE.

No segundo trimestre, houve um aumento de R$ 2,8 bilhões no déficit de bens e serviços na comparação de 2014 com 2013, para R$ 27,3 bilhões. Além disso, foram remetidos ao exterior R$ 20,2 bilhões, R$ 1,6 bilhão a mais do que em igual período de 2013. Essas remessas são relativas principalmente a lucros e dividendos, enquanto uma parcela pequena se refere ao pagamento de juros.

Fecomercio-SP prevê crescimento do PIB próximo a zero
O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano deve se aproximar de zero, prevê a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Em nota, a entidade lembrou que a expectativa era por uma taxa de crescimento entre 0,5% e 1,0%, mas após os números do segundo trimestre, divulgado nesta sexta-feira, 29, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a federação agora trabalha com uma faixa de 0% a 0,5%.

"Entre os setores analisados, o que mais preocupa na comparação do segundo trimestre deste ano com o mesmo período do ano passado é o crescimento de apenas 0,2% do setor de serviços, que era o sustentáculo do atual modelo econômico", explicou a FecomercioSP.

A federação acrescentou que a queda da indústria é "bastante relevante", mas já esperada por quase todos os analistas. A expectativa da FecomercioSP é por taxas negativas para o crescimento industrial também em 2015.

Os números da agropecuária, com um crescimento zero em relação ao segundo trimestre do ano passado, também é motivo de preocupação. "Se o Brasil já não contava com a indústria para crescer nos últimos anos, agora não poderá mais contar com o consumo e deverá deixar de contar também com o setor agropecuário", analisou.

A federação afirmou ainda estar preocupada com as reações da equipe econômica do governo, "que se recusa em aceitar o fato de que algo está errado e de que há necessidade de mudança". "O discurso de que a crise brasileira é produto da crise internacional, além de falso, não convence nenhum empresário ou investidor." A FecomercioSP acrescentou que sem claras indicações de que o governo entende o diagnóstico, empresários e investidores tendem a se manter em compasso de espera.

Fiesp
A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), também em nota, lembrou que os números divulgados nesta sexta confirmam o quadro de recessão da economia brasileira e criticou o desempenho da indústria de transformação. "Infelizmente, acreditamos que não há perspectiva de reversão desse quadro recessivo do setor num horizonte de curto prazo", disse Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp.

Para ele, a queda da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) também impede um cenário de recuperação expressiva da economia nos próximos trimestres. "Queremos ter visão sobre urgência de medidas capazes de, a partir do próximo ano, alterar este cenário de queda", disse.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.