• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Reestruturação » Malaysia Airlines faz reformulações após catástrofes aéreas

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 29/08/2014 16:17 Atualização:

A Malaysia Airlines deverá abrir mão de alguns destinos deficitários, mantidos até o momento por uma razão de prestígio, para converter-se numa companhia basicamente regional. Foto: © AFP/Manan Vatsyayana (A Malaysia Airlines deverá abrir mão de alguns destinos deficitários, mantidos até o momento por uma razão de prestígio, para converter-se numa companhia basicamente regional. Foto: © AFP/Manan Vatsyayana)
A Malaysia Airlines deverá abrir mão de alguns destinos deficitários, mantidos até o momento por uma razão de prestígio, para converter-se numa companhia basicamente regional. Foto: © AFP/Manan Vatsyayana
A companhia aérea Malaysia Airlines diminuirá o número de seus efetivos e operações à espera da nomeação de um novo diretor-geral, cuja missão é tirar a empresa da beira do precipício após duas catástrofes aéreas.

O fundo público de investidores Khazanah Nasional, que conta com 70% de seu capital, quer injetar 1,44 bilhão de euros em troca de uma redução da companhia com o objetivo de torná-la mais rentável nos próximos três anos.

O chefe deste fundo, Azman Mokhtar, prevê a supressão de um terço dos empregados para ficar com apenas 14.000.

A Malaysia Airlines também deverá abrir mão de alguns destinos deficitários, mantidos até o momento por uma razão de prestígio, para converter-se numa companhia basicamente regional.

No final do ano deverá ser nomeado um novo diretor-geral. O atual, Ahmad Jauhari Yahua, continuará em seu posto até julho de 2015 para garantir uma transição suave.

Em grandes dificuldades desde 2011, a Malaysia Airlines duplicou suas perdas no segundo trimestre deste ano depois do desaparecimento, em 8 de março, de um de seus voos que fazia o trajeto entre Kuala Lumpur e Pequim. Outro voo comercial foi abatido com 298 pessoas a bordo em 17 de julho no leste da Ucrânia.

No total, perdeu mais de 900 milhões de euros (1,3 bilhão de dólares) em três anos.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.