• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Balanço do IBGE » Consumo e investimentos do governo puxaram queda do PIB

Agência Estado

Publicação: 29/08/2014 10:58 Atualização:

Sob a ótica da demanda, as retrações das despesas do consumo do governo e dos investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) tiveram influência negativa na queda de 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2014 ante o período imediatamente anterior, afirmou Rebeca de La Rocque Palis, gerente da Coordenação de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com Rebeca, a queda do consumo do governo ocorreu em meio a um crescimento menor dos gastos correntes no segundo trimestre ante o primeiro trimestre, enquanto ficou maior nos três primeiros meses do ano no mesmo tipo de comparação. "A arrecadação também não está crescendo muito, o que influenciou no resultado", disse.

A FBCF, que retraiu 5,3% na comparação com o primeiro trimestre, também puxou a queda do PIB. Foi o pior resultado desde o primeiro trimestre de 2009, quando caiu 11,8%. Na outra ponta, a contribuição positiva no resultado do PIB veio do aumento das exportações e queda das importações, "influenciadas pela desvalorização do câmbio".

Impostos

A gerente de Contas Nacionais do IBGE, no entanto, também avaliou que o volume de impostos pagos sobre produtos caiu mais do que a média da economia, puxando o resultado do PIB para baixo. "Isso é o contrário do que acontecia em outros trimestres quando até ajudavam, pois cresciam até acima da média da economia", avaliou Rebeca. Dentro da queda de 0,6% do PIB no segundo trimestre ante o primeiro deste ano, entretanto, apenas o valor adicionado recuou 0,4%, enquanto -0,2 ponto porcentual decorreu da queda nos impostos.

"Alguns setores que pagam muitos impostos estavam crescendo acima da média da economia, e isso mudou neste trimestre. Serviços de informação continuam crescendo bastante, energia elétrica nem tanto. A indústria automotiva, que paga bastante imposto sobre seus produtos, caiu muito. Isso acabou puxando o volume de impostos para baixo", explicou Rebeca.

Segundo o IBGE, os impostos mensurados no cálculo do PIB são o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o ICMS, entrou outros. "O IPI foi bastante afetado, até pelo desempenho da indústria de transformação", disse a gerente.

Na comparação com o segundo trimestre de 2013, o mesmo fenômeno foi observado. O PIB recuou 0,9%, mas o valor adicionado recuou 0,7%, enquanto os impostos caíram 1,9%, a maior queda desde o segundo trimestre de 2009 (-3,3% ante igual período de 2008).

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.